Carta do leitor: Progresso do Sambizanga grita: ao socorro!

Caro director do Jornal O PAÍS, sou morador do município de Viana, concretamente nas 500 Casas, em Luanda. É com muita satisfação que escrevo para este órgão de comunicação social.

Estou preocupado com o estado actual do Progresso Associação do Sambizanga, que já tem lançado vários jogadores para a Europa, com destaque para o Pedro Mantorras, o qual representou por várias temporadas o Sport Lisboa e Benfica.

Preocupado porque os funcionários, atletas e equipa técnica estão há mais de um ano sem salário. Na semana passada, o treinador angolano Hélder Teixeira colocou o seu lugar à disposição porque já não suportava trabalhar sem receber os seus ordenados. A situação é grave…

…Aliás, diga-se, sou adepto ferrenho dos sambilas e tenho mesmo a obrigação de dizer que o actual momento que o meu clube está a viver é tudo por culpa do presidente da direcção, o senhor Paixão Júnior.

O “cota”, desculpe o termo, pensa que o clube é dele ou herança que os pais lhe deixaram. Na verdade, eu não entendo como é possível o senhor presidente não apostar na formação, uma vez que o nosso Distrito Urbano tem bons talentos que merecem de ser aproveitados.

Nunca apostou na formação no tempo das “vacas gordas”, dava-se ao luxo de contratar jogadores dos Camarões, da Nigéria e até do Brasil, com salários de ‘encher os bolsos’ e agora que as coisas estão apertadas por tudo quanto é canto, está a pensar em fechar as portas do nosso histórico Progresso do Sambizanga.

Ó Paixão! Vê lá se encontras uma solução para o clube. António Fortunato Viana/Luanda