Progresso do Sambizanga “sem salários” há dezoito meses

POR: Kiameso Pedrio

Com A CRISE financeira instalada no nosso país desde o início de 2014, face à queda do preço do barril de petróleo no mercado internacional, o Progresso do Sambizanga vem enfrentando várias dificuldades.

Depois de o técnico Hélder Teixeira ter sido dispensado pelo clube “sambila” por reivindicar a falta de condições para manter os seus honorários, a agremiação sob a égide de Paixão Júnior voltou a inflamar o panorama desportivo nacional, a quantas anda a sua formação. Ontem, em declarações à imprensa, funcionários, treinadores e jogadores manifestaram o desejo de anunciar uma greve face ao atraso de pagamentos de salários, que já dura há dezoito meses. Para já, a direcção do clube ainda não se pronunciou sobre a versão dos atletas. Ao cabo de quatro jornadas, o Progresso do Sambizanga soma duas vitórias, dois empates.

Oito golos marcados e três sofridos. Na tabela classificativa, o clube sambila figura na segunda posição, com oito pontos somados. Na quarta jornada, apesar dos problemas actuais, a equipa de Paixão Júnior continua a respirar “ar puro”, depois de terem empatdo fora de portas, com a formação do Sagrada Esperança da Lunda-Norte (1-1). Na próxima jornada, o segundo posicionado do Girabola Zap, versão 2018/2019, medirá forças, com o Bravos do Maquis, no Estádio dos Coqueiros, com o horário aprazado para as 15:00. Os maquisardes vêem de um empate (1-1) com os “lobitangas”.

O Pais

Deve ver notícias