Cerca de 50 mil almas são aguardadas no “Show Boas Festas Unitel” na Baía de Luanda

Mais uma vez a unitel vai realizar o “Show Boas Festas”, evento que expressa agradecimento aos seus clientes pela preferência dos seus serviços. Este ano, conta com as actuações de Yola Semedo, Preto Show e Biura, C4 Pedro, Anderson Mário (vencedor do Unitel Estrelas ao Palco), Noite e Dia e do DJ Man Renas entre outras surpresas de artistas estrangeiros

POR: Adjelson Coimbra

A Unitel promove o esperado “Show Boas Festas Unitel” no dia 15 de Dezembro, na Baía de Luanda. A actividade musical que acontece todos os anos em prol das celebrações do Natal e Ano Novo, terá abertura de portas às 16 horas e início do espectáculo às 18 horas. Para acesso ao espectáculo, o público deverá solicitar um ingresso em cada compra de uma recarga de 1000 Kwanzas nas lojas da rede Unitel.

O “Show Boas Festas da Unitel” é uma actividade já considerada tradição no final de cada ano e visa, principalmente, proporcionar aos amantes da boa música, entretenimento e momentos de alegria neste período festivo. Segundo o director de marketing da Unitel, Miguel Soares, que falou anteontem em conferência de imprensa, essa empresa de telefonia móvel utiliza esse show como um argumento para estar com os seus clientes no momento final do ano. E, também vem, uma vez mais reforçar a aposta na cultura. “O Show de Boas Festas é um espectáculo que tem uma configuração diferente da festa da música.

A festa da música tem a duração de dois dias, onde passam mais de 50 artistas nacionais. Já o show de boas festas tem um formato diferente, ou seja, é mais intimista e os artistas têm mais tempo de antena”, explicou. Miguel Soares faz lembrar que a Unitel não é uma entidade promotora de eventos, mas sim uma operadora de telecomunicações que se foca em proporcionar melhor serviço aos seus clientes. No quadro da responsabilidade social, segundo afirma, têm feito vários projectos ao longo do ano. A Unitel, de acordo ainda com o responsável, durante este ano, focou muito o seu apoio naquilo que é a comunidade, não por uma questão de responsabilidade, mas por uma questão de decisão tomada e que tem vindo a reforçar o apoio a comunidade, em estar cada vez mais próxima das pessoas e dar a sua contribuição.

Músicos prometem dar o melhor

O show que conta com uma movimentação de cerca de 50 mil pessoas, segundo avança Miguel Soares, vai contar com a presença de nomes sonantes da música angolana que irão brindar os admiradores com o melhor dos seus reportórios, conforme prometem. Preto Show por exemplo, diz que é sempre bom participar em shows com esse formato. “É um espectáculo que tem estado sempre presente na minha carreira, mas dessa vez foi diferente porque participarão poucos músicos, temos mais tempo para cantar e desde já agradecer a todos os angolanos, porque se não fosse por vocês nós também não seríamos escolhidos para esse show”, acrescentou.

Quanto à participação de artistas estrangeiros, o artista defende a necessidade de valorizar-se a música nacional primeiramente, e depois valorizar a casa dos outros, sem qualquer desprimor aos outros. O estrangeiro é sempre bem-vindo. Mas nesse aspecto, a Unitel dá mais importância aos cantores nacionais dando mais audiência e visibilidade. Já Anderson Mário, jovem novo talento que venceu o concurso Unitel Estrelas ao Palco interpretando Michael Jackson, sente-se honrado por estar a participar desta a actividade, que por sinal a sua primeira de grande dimensão.

Promete trazer o melhor de si e proporcionar alguma coisa boa, a fim de satisfazer quem lá estiver a ouvir. “Como vai ser eu não sei porque o futuro é lá mais para frente, mas vou treinar muito até chegar o dia e apresentar uma melhor performance”, acrescentou. Por sua vez, o músico Fabius “Biura”, integrante do grupo Zona 5, garante participar deste show com toda atitude. O músico enalteceu igualmente a Unitel pelo trabalho que tem feito a volta da cultura, propriamente no mundo da música e pela proximidade que tem mantido com as artes. “É bom sentir a Unitel a olhar para dentro e mudar algumas políticas, se calhar beliscava um pouco o que é a imagem dos nossos artistas, mas nós estamos a trabalhar, e vamos melhorando. Eu sou de opinião que quando se ganha um artista podemos perder um delinquente, então é necessário motivarmos a juventude a fazer arte”, finalizou.