Kevin Hart desiste de apresentar Óscares após críticas da comunidade LGBT

Assim que se soube que o actor era o escolhido da Academia para apresentar a cerimónia mais conhecida do cinema mundial, as críticas não pararam devido a comentários homofóbicos publicados há sete anos

POR: Diário de Notícias

O actor e comediante Kevin Hart desistiu de apresentar a cerimónia dos Óscares de 2019 devido ao coro de críticas nas últimas horas sobre afirmações do norte-americano que têm mais de sete anos, consideradas ofensivas pela comunidade homossexual. “Tomei a decisão de renunciar à apresentação dos Óscares deste ano… porque não quero ser uma distração numa noite que deve ser comemorada por tantos artistas talentosos incríveis. Peço as minhas mais sinceras desculpas à comunidade LGBT [Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais ou Transgéneros] pelas minhas palavras insensíveis feitas no passado”, escreveu o comediante na sua conta oficial na rede social Twitter.

Antes de tomar esta decisão, o actor norte-americano ainda publicou um vídeo na rede social Instagram no qual se justifi cou, afirmando que as declarações que proferiu e os tweets que escreveu foram “há quase oito anos”. “Tenho quase 40 anos. Se vocês não acreditam que as pessoas mudam, crescem e evoluem quando ficam mais velhas, não sei o que vos dizer”, disse, acrescentando que “o mundo está a ficar mais do que louco”. Kevin Hart afirmou ainda que não compreende porque é que, hoje em dia, as pessoas têm que “se justificar constantemente por coisas que fizeram no passado”. A organização não-governamental GLAAD, cujo foco é a monitorização da forma como os ‘media’ retratam a comunidade LGBT, afi rmou ter apresentado uma queixa junto do canal de televisão ABC, emissora dos Óscares, e na Academia de Artes e Ciências Cinematográficas para “discutir a retórica e o registo anti-LGBT de Kevin”. Uma das maiores críticas desta organização é contra um especial de comédia de Kevin Hart, em 2010, onde este disse: “Um dos meus maiores medos é que o meu filho cresça a ser gay. Isso é um medo. Atenção, não sou homofóbico… seja feliz. Faça o que quiser. Mas eu, como homem heterossexual, se puder impedir o meu filho de ser gay, irei fazê-lo.”