Secretário da OPEP visita Angola de 17 a 19 deste mês

O secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), Mohamed Sanuzi Barkindo, que teve participação activa na última reunião do cartel realizada na Áustria, fará uma visita de trabalho a Angola de 17 a 19 deste mês, soube ontem a Angop de uma fonte do Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos

Segundo a agência de notícias, a visita deste responsável do cartel acontecerá uma semana depois da 175 ª conferência do Cartel, realizada nos dias 6 e 7 deste mês, em Viena, capital austríaca, durante a qual a organização e os seus aliados, como a Rússia, decidiram fazer mais um corte na produção de até 1,2 milhão de barris/dia a partir de Janeiro, para travar o declínio dos preços registado nas últimas semanas. Em Outubro, o petróleo Brent, referência para as exportações angolanas, já chegou a ser negociado a 85,078 dólares, na bolsa de Londres um máximo que não era alcançado desde 2014, mas antes da 175ª reunião da OPEP o crude atingiu os mínimos de 59 dólares, daí Angola e outros membros defenderem um preço de equilíbrio que satisfaça produtores e consumidores.

Da quantidade a cortar, a OPEP vai deixar produzir 800 mil barris, enquanto os não-OPEP vão reduzir 400 mil barris/dia, com quotas a serem definidas nos próximos dias pelas partes. Responsável por mais de 40 por cento da oferta mundial de petróleo, a OPEP conta com uma produção média diária de 32,7 milhões de barris. Angola contribui para esta quantidade do Cartel com 1,5 milhões de barris/ dia e é o segundo maior produtor de petróleo da África subsaariana, atrás da Nigéria com 1,7 milhões de barris/dia. Angola foi admitida a 14 de Dezembro de 2006 como membro de pleno direito da Organização dos Países Exportadores de Petróleo, durante a 143ª conferência extraordinária do cartel, que decorreu em Abuja, Nigéria. A OPEP foi criada com o propósito de coordenar, de maneira centralizada, a política petrolífera dos países membros, de modo a restringir a oferta de petróleo no mercado.

Além de Angola, integram a organização, criada em 1960, em Bagdad, a Argélia, Arábia Saudita, Emiratos Árabes Unidos, Iraque, Irão, Líbia, Indonésia, Nigéria, Venezuela, Koweit e Qatar, que anunciou a sua retirada do cartel a partir de Janeiro de 2019. De nacionalidade nigeriana, Mohammed Sanusi Barkindo, de 59 anos, foi nomeado para um mandato de três anos como secretário- geral da OPEP. Iniciou funções a 1 de Agosto de 2016. Anteriormente, actuou como secretário- geral interino em 2006. Formado pela Ahmadu Bello University e Southeastern University, Mohammed Barkindo representou a Nigéria no Conselho da Comissão Económica da OPEP entre 1993 e 2008.

error: Content is protected !!