Financiamento de militares dos EUA na Coreia do Sul ainda sem acordo entre as partes

Os Estados Unidos e a Coréia do Sul não conseguiram chegar a um acordo sobre a participação sul-coreana no custo de manter as tropas norte- americanas, disse um oficial na Sexta-feira. O Presidente dos EUA, Donald Trump, disse repetidas vezes que a Coréia do Sul deve arcar com mais do ônus de manter 28.500 soldados norte-americanos no seu território onde os Estados Unidos estacionaram forças desde a Guerra da Coréia de 1950-53. Autoridades de ambos os lados realizaram conversações de três dias em Seul na Terça-feira para acertar um acordo para substituir o acordo de 2014 que expira neste ano, que exige que a Coréia do Sul pague cerca de 960 bilhões de wons neste ano.

Apesar de 10 rondas de negociações desde Março, os dois lados se esforçaram para chegar a um acordo depois de os Estados Unidos terem exigido um aumento acentuado, disseram autoridades sul-coreanas. “Chegamos a um acordo sobre quase todos os elementos, mas não conseguimos torná-lo final devido às diferenças na escala total do acordo”, disse uma autoridade do ministério sul-coreano aos repórteres, sob condição de anonimato devido à sensibilidade do assunto. Num comunicado, as Forças dos EUA na Coréia (USFK) disseram que buscavam uma “conclusão rápida” das negociações “para mitigar um possível lapso nas contribuições” da Coréia do Sul. “Devido às negociações consultivas entre as delegações dos EUA e da República da Coreia (ROK), não podemos especular sobre possíveis resultados”, disse o comunicado.

Os Estados Unidos inicialmente estimularam a Coréia do Sul a aumentar a sua fatia no fardo para cerca de USD 1,2 bilhão, informou o Wall Street Journal na semana passada, citando fontes não identificadas. Autoridades sul-coreanas e americanas não confirmaram publicamente um valor em dólares. Autoridades sul-coreanas disseram que os Estados Unidos pediram que a Coreia do Sul pague pela mobilização de equipamentos, como bombardeiros, portaaviões e submarinos nucleares, durante exercícios militares conjuntos. Trump anunciou a suspensão dos exercícios em Junho, depois de uma cimeira com o líder norte- coreano Kim Jong Un, dizendo que eles eram muito caros e pagos principalmente pelo seu país.

Alguns exercícios conjuntos de pequena escala ocorreram desde então, enquanto os principais foram suspensos como parte dos esforços para agilizar as negociações destinadas a encerrar o programa nuclear da Coréia do Norte. A autoridade sul-coreana disse que os dois lados não devem se encontrar novamente neste ano, aumentando o risco de uma lacuna no financiamento. No mês passado, as Forças dos EUA na Coréia alertaram os trabalhadores sul-coreanos que alguns deles poderiam ter “folga”, ou sair de férias sem remuneração, a partir de meados de Abril, caso não fosse possível chegar a um acordo. No seu comunicado de Sextafeira, a USFK informou que garantirá que os funcionários sulcoreanos “tenham tempo suficiente para preparar-se para qualquer possível licença”. Cerca de 70% da contribuição da Coréia do Sul cobre os salários de cerca de 8.700 funcionários que fornecem serviços administrativos, técnicos e outros serviços para as forças armadas dos EUA. “Estamos a fazer esforços para minimizar qualquer impacto negativo que possa ter sobre os funcionários”, disse o funcionário do ministério.

error: Content is protected !!