Rússia e China abstêm-se da votação sobre RCA , insatisfeitas com a França

A Rússia e a China abstiveram-se na Quinta-feira numa votação da ONU para prorrogar uma missão de paz na República Centro-Africana (RCA) porque a resolução francesa não faz referência directa aos esforços da Rússia para ajudar o país

Os restantes 13 membros do Conselho de Segurança da ONU votaram pela renovação anual da operação, implantada em 2014, que conta com mais de 12.000 soldados e polícias. A violência eclodiu no RCA em 2013, quando rebeldes muçulmanos, principalmente Seleka, derrubaram o Presidente, provocando represálias de principalmente milícias cristãs. Apesar de suas abstenções, a Rússia e a China disseram que apoiaram a missão de manutenção da paz. Mas a votação do Conselho de Segurança ressalta a cautela das potências ocidentais nos esforços de Moscovo e Pequim para expandir a sua influência em África.

“Ajudar o Governo da República Centro-Africana não é uma competição. Ao ajudar um dos países mais pobres do mundo a emergir de mais de uma década de conflito em busca da paz e do desenvolvimento, não há espaço para o ciúme ”, disse o vice- embaixador dos Estados Unidos, Jonathan Cohen, ao conselho. Mais cedo nesta Quinta-feira, o Governo Trump revelou a sua estratégia para a África, que o conselheiro de Segurança Nacional John Bolton disse que visava combater a influência económica e política da China e da Rússia no continente.

Na RCA, neste ano, a Rússia enviou aviões carregados de armas e dezenas de empreiteiros para treinar soldados e proteger projetos de mineração, marcando o início da sua incursão militar de maior destaque na África subsahariana por décadas. Enquanto a União Africana, apoiada pelo antigo governante colonial do RCA, a França, está a tentar intermediar a paz, a Rússia e o Sudão mediaram separadamente um acordo preliminar assinado por grupos armados da África Central em Agosto, em Cartum. A iniciativa da União Africana “é o único processo de diálogo que é directo e inclusivo entre o Governo da República Cenro-Africanae os grupos armados dos quais o diálogo e o acordo de paz abrangente poderiam emergir”, disse o embaixador francês da ONU, François Delattre, na Quinta-feira. O embaixador da Rússia, Vassily Nebenzia, reclamou que a resolução francesa não aceitou os esforços de paz que “estão alinhados com a implementação da iniciativa africana de paz e ajudam na implementação” ou a contribuição dos russos. “Por trás de tudo isso, o que podemos ver é uma abordagem aos países africanos como um território próprio e reserva dentro do círculo vicioso da metrópole versus colónia”, disse Nebenzia. O embaixador chinês na ONU, Ma Zhaoxu, também disse que a resolução deveria ter reconhecido todos os esforços para promover a paz na RCA.

error: Content is protected !!