criminalidade em baixa para o PR e alta para a Polícia

segundo uma fonte de OPAíS, a corporação reforçará o asseguramento durante a passagem de ano, no âmbito da “Operação Quadra Festiva 2018/2019”, que termina no dia 5 de Janeiro, com vista a inibir a prática de crimes na via pública e em ambiente familiar

A garantia de que o nível de delinquência “nesse momento tem reduzido drasticamente” feita pelo Presidente da República, João Lourenço, na recente entrevista colectiva concedida aos jornalistas nacionais e estrangeiros, não condiz com os dados estatísticos do Comando Provincial de Luanda da Polícia Nacional.

Para não alarmar a população, o relatório preliminar da “Operação Quadra Festiva 2018/2019”, apresentado Quarta-feira à imprensa, não especifica a quantidade de crimes registados na capital do país durante as comemorações do Natal. O referido documento, a que OPAÍS teve acesso, anuncia que o Serviço de Investigação Criminal (SIC) de Luanda esclareceu mais 24 crimes, em relação a igual período anterior.

Neste particular, não especifica a quantidade de pessoas que perderam a vida em consequência de acções delituosas. Ainda durante a festa de Natal, no âmbito do combate à criminalidade, os efectivos da Polícia Nacional detiveram 34 suspeito da prática de crimes diversos, perfazendo um aumento de 28 casos em relação a 2017.

O relatório da Polícia do dia 25 aponta que o Serviço de Emergência da Polícia Nacional registou 160 solicitações de intervenção dos efectivos, bem como a detenção de 62 suspeitos, dos quais, dois por posse ilegal de liamba e um por desacato face aos agente da autoridade. Nos dias 21, 22 e 23 do corrente mês, foram detidos 147 cidadãos suspeitos.

E, por outro lado, o Serviço de Emergência da Polícia Nacional registou 441 solicitações de intervenção. Já no dia 24 de Dezembro, de acordo com o relatório da “Operação Quadra Festiva 2018/2019”, o destaque recai para o furto de uma viatura de marca Hyundai Santa-fé, na Vila de Estoril, município do Kilamba Kixi, um dos que mais preocupa a Polícia em função da gravidade dos crimes que aí se registam.

O referido documento não faz menção da quantidade de homicídios registados, afirmando apenas que houve uma redução de três casos comparativamente ao ano passado. Quanto à detenção de supostos marginais por parte dos efectivos do Serviço de Investigação Criminal (SIC), registou-se um aumento de 28.

Alinhando no mesmo discurso do Chefe de Estado, o ministro do Interior, Ângelo da Veiga Tavares, reconheceu que, apesar de nos últimos tempos, por ocasião da “Operação Resgate”, os números relativos aos crimes violentos terem diminuído, o balanço sobre a situação de segurança pública referente aos dias 24 e 25 de Dezembro mostra o contrário. “

Faz-nos concluir que não foram acatados alguns conselhos transmitidos, pois apesar de registarmos diminuição em relação aos homicídios voluntários e violações, com destaque para as ofensas corporais (…) houve aumento de casos de roubos…”, detalhou o governante, também sem especificar a quantidade. Solicitado para analisar o caso, um especialista em segurança pública afecto ao Comando Geral da Polícia Nacional defende que a omissão das cifras de crimes ocorridos neste período acabou por levar as pessoas a desconfiarem se estão ou não seguros.

Todavia, a segurança pública está controlada. Apesar de não poder identificarse por não ter sido autorizado, esclareceu que durante os dois dias foram detidos mais de 400 cidadãos em todo país acusados da prática de homicídio voluntário, violações sexuais, ofensas corporais, roubos e furtos de bens diversos. “Há que ter em conta que a Polícia não tem como prevenir os crimes que ocorrem em ambiente familiar, como violações sexuais e ofensas corporais resultantes de violência doméstica.

No entanto, estes dados entram nas estatísticas da nossa corporação”, frisou. A título de exemplo, contou que dos cerca de dez homicídios voluntários registados, três ocorreram no seio familiar. No entanto, garantiu que a corporação reforçará o asseguramento durante a passagem de ano, no âmbito da “Operação Quadra Festiva 2018/2019” que termina no dia 5 de Janeiro, com vista a inibir a prática de crimes na via pública e em ambiente familiar