Huíla inicia processo de levantamento dos candidatos à centralidade da Quilemba

Num encontro realizado recentemente com a juventude, na cidade do Lubango, o governador provincial da Huíla, Luís Nunes, anunciou para Março deste ano a entrega das primeiras residências erguidas na centralidade da Quilemba, nos arredores da cidade do Lubango

POR: João Katombela, na Huíla

Luís Nunes afirmou que numa primeira fase serão entregues cerca de 800 casas do tipo T3 e T4, das 11 mil que compõem este projecto habitacional. Recentemente, o vice-governador da Huíla para o Sector Técnico e Infra-estruturas, Nuno Mahapi Ndala, em entrevista concedida a OPAÍS, informou que o Governo Provincial já deu início ao processo de levantamento dos candidatos às habitações da Quilemba. O governante explicou que o referido processo consiste na catalogação dos funcionários públicos dos vários departamentos ministeriais, com realce para a Saúde, Educação, Defesa e Interior.

Nuno Ndala disse que a prioridade nesta primeira fase recai para os quadros da função pública, sobretudo os que têm as suas residências em locais de risco, acrescentando que até ao momento já foram cadastrados mais de 3 mil candidatos. “Foi feito um levantamento a nível dos organismos públicos, que era para ver qual era, de facto, o interesse real da função pública, para podermos trabalhar com os indicadores. Concluiu-se que a Educação foi a que mais solicitou, seguida da Saúde, Forças Armadas e a Polícia”, disse.

Prioridades

Adiantou que, numa primeira fase, pretende-se atender os funcionários públicos que habitam em zonas de risco. “Enquanto Governo Provincial, temos a missão de proteger os interesses da função pública no que toca à aquisição de moradias, outras empresas e demais pessoas poderão fazê-lo directamente com a entidade gestora”, explicou.

Dilatar prazo de pagamento para reduzir despesa

Um dos principais problemas apontados em alguns debates públicos no que toca às políticas de comercialização das residências nas várias centralidades do país é o prazo de pagamento e a sua renda mensal. Uma nota distribuída no ano passado pela IMOGESTIM aos órgãos de Comunicação Social dava conta de que os preços variavam de acordo com a tipologia de cada habitação, cujo processo de comercialização teria acontecido ainda o ano passado. Segundo a mesma nota, a que este jornal teve acesso, teriam sido vendidas cerca de 840 habitações, sendo 156 apartamentos e 68 vivendas do tipo T3 isoladas. No que toca aos preços, os apartamentos do tipo T3 serão comercializados a um preço de 9 milhões e 960 mil Kwanzas, ao passo que as vivendas do tipo T3, isoladas, poderão custar 13 milhões e 280 mil kwanzas.

Manutenção dos preços

Nuno Ndala garantiu que os preços não serão alterados, no entanto, o Governo Provincial da Huíla tem estado a trabalhar no sentido de se alargar o prazo de pagamento de 20 para 30 anos, de forma a se reduzir a despesa mensal de cada família. “Se nós conseguirmos junto do Governo Central alargar os prazos de pagamento destas residências, poderemos também reduzir o valor que cada cidadão poderia pagar num prazo de 20 anos”. Acrescentou que o processo de entrega das primeiras 800 moradias, vai ser feito de forma faseada, sendo que até Dezembro serão entregue as 11 mil casas.

error: Content is protected !!