Jornalista angolano pretende conquistar leitores de outros países a começar por Portugal com o livro “Balumuka”

Por essa razão, o jornalista e autor, Rúbio Praia, lançou na tarde de ontem, na cidade de Lisboa (Portugal), o seu livro de crónicas “Balumuka”, depois de o já ter apresentado em solo pátrio, há três anos

Trata-se de um livro de 164 páginas, com 31 crónicas publicadas no Jornal de Angola, programa “Kialumingo” da Rádio Luanda e no extinto Semanário Agora, em que aborda temas diversos da actualidade entre os quais o analfabetismo, proliferação de igrejas, fuga à paternidade, entre outros. Questionado o autor sobre o que o levou a apresentar o livro em terras de “Camões”, Rúbio Praia Justificou alegando que o principal motivo é de promover uma maior partilha dos seus escritos a partir de Portugal ao que se estenderá aos demais países do mundo.

“Estou a lançar o livro aqui em Portugal com o sentido de promover uma maior partilha deste livro de crónicas lançado em Luanda há três anos, sem descurar que há outras portas que se podem abrir aqui neste país lusófono e europeu”, apontou. Por outro lado, o autor tenciona continuar a promover o seu livro “Balumuka”, em Angola, fazendo uma digressão por várias províncias do país, sendo que ainda neste primeiro trimestre os leitores da cidade do Lubango (Huíla), poderão ter contacto com o livro de crónicas.

Para o escritor e dramaturgo, Mário Amorin Guerra, a quem coube o prefácio do livro, escreve entre vários ponto, que a aludida obra faz-lhe sentir um sabor a terra na boca, a kissangua, maruvo, Rangel, asfalto e música para dançar no Marítimo da Ilha. “Faz-me viajar até Tala-Hady (Cazenga), Terra Nova e Maianga. Um sabor a terra de que estamos todos a sentir falta”, registou o escritor que também considerou o texto pela sua estrutura e conteúdo. Entretanto, o livro provoca e desafia a novas ideias. Crónicas com títulos: “Quase Pesadelo”, “África não é um país”, “Aberto até de Madrugada”, “O amanhã ‘nasce’ de um aborto”, “Honra aos Heróis da Cultura”, “Roubaram-me o meu amigo Action Nigga”, “A maka dos nossos conteúdos”, entre outros, podem ser lidas no livro. De salientar, que o livro “Balumuka” de Rúbio Praia, foi apresentado na Casa de Angola em Portugal, no âmbito do Dia da Cultura Nacional assinalado ontem, instituído em 1986, por ocasião do discurso do então Presidente da República, António Agostinho Neto durante a tomada de posse dos corpos gerentes da União do Escritores Angolanos, em 1979.

O autor

Rúbio Praia nasceu no bairro dos Candeeiros, então município do Sambizanga, Luanda, a 05 de Julho de 1983. Jornalista, poeta e prosador publicou os seus primeiros textos no suplemento “Vida Cultural” do Jornal de Angola (2004), depois na Rádio Nacional de Angola e seguidamente na sua coluna no semanário Agora. Arrebatou o “Prémio Maboque Jornalista Revelação 2013”. Tem escrito para vários órgãos de informação nacionais: Jornal Cultura, Revista África Today, Semanário Sol e Revista Todos. Tem no prelo o livro de contos intitulado “Testemunhos Secretos”, e está em pesquisa para o seu primeiro romance, cujo título ainda não foi revelado. Presentemente trabalha no Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do Banco Nacional de Angola.