“Esta proclamação é o resultado adulterado, inventado e fabricado em laboratórios escuros da FCC”

Martin Fayulu Madidi rejeitou os resultados publicados pela Comissão Eleitoral Nacional Independente (IN EC) dedicando a vitória de Felix Tshisekedi à presidência a 30 de Dezembro. A CENCO dá-lhe razão

O candidato da coligação de Lamuka descreveu esses resultados como fraude eleitoral que não está de acordo com a escolha do povo congolês. “Melhor do que ninguém sabe que este anúncio é o resultado de produtos adulterados, inventadas e fabricadas nos corredores escuros da FCC. Esses resultados não têm nada a ver com a verdade das pesquisas. Esta é, obviamente, uma fraude eleitoral inimaginável e susceptível de causar desordem generalizada em todo o território nacional. Não congoleses, o povo congolês não pode tolerar tal traição que fizeram, é uma expectativa séria à dignidade do nosso país e do seu povo … Rejeitamos categoricamente os resultados publicados pela CENI”, disse Martin Fayulu logo após a publicação dos resultados na noite desta Quarta a Quinta-feira.

De acordo com os resultados publicados pelo CENI, Félix- Antoine Tshisekedi Tshilombo ganhou com 7.051.013 ou 38.57%. Ele é seguido por Martin Fayulu Madidi com 6.366.732 ou 34.83% e Emmanuel Shadary com 4.357.359 ou 23,84%. A taxa de participação nesta pesquisa é de 47,56%, segundo a comissão eleitoral. “É totalmente inaceitável negociar os resultados” Martin Fayulu não acredita que tenha perdido a eleição presidencial de 30 de Dezembro, cujos resultados favoreceram Felix Tshisekedi, que obteve quase 600 mil votos. O candidato da coligação, Lamuka, suspeita da manipulação dos números. “A vitória pertence ao povo congolês e o povo congolês deve reivindicar a sua vitória.

É totalmente inadmissível negociar os resultados. Vocês conhecem os resultados, as percentagens são conhecidas. Onde o Sr. Felix Tshisekedi conseguiu 7 milhões de votos? É sério, é extremamente sério. Lutamos pela liberdade, lutamos pela democracia, não pelas pessoas para negociar com os resultados, para as pessoas negociarem os resultados? Até onde vamos continuar a negociar os resultados? questionou Martin Fayulu na sua declaração após a publicação dos resultados. Martin Fayulu diz que não está pronto para aceitar o que ele chama de roubo da sua vitória. “Em 2006 roubaram a vitória a Bemba, em 2011 roubaram a vitória de Etienne Tshisekedi, em 2018 não vão roubar a vitória a Martin Fayulu”, acrescentou Martin Fayulu.

Fayulu pede que a CENCO e o ECC publiquem os resultados que possuem

Martin Fayulu convidou a Conferência Episcopal Nacional do Congo (CENCO ) e a Igreja de Cristo do Congo (ECC ) para tornarem pública a verdade das urnas da eleição presidencial de 30 de Dezembro. As duas estruturas que empregaram observadores nas eleições combinadas de 30 de Dezembro exigiram que a Comissão Eleitoral Independente Nacional (IN EC) confirmasse as pesquisas. Os bispos católicos afirmaram ter o nome do vencedor da eleição presidencial no seu relatório de observação preliminar. “Para todos aqueles que leram a verdade das pesquisas, especialmente na CENCO e ECC através de observações históricas para revelar ao povo congolês e ao mundo inteiro o nome da pessoa que realmente encarna a escolha do nosso povo”, Disse Martin Fayulu logo após a publicação dos resultados das eleições presidenciais pela CENI .

Felix Tshisekedi foi declarado vencedor provisório da eleição presidencial com mais de 38% contra 34% de Martin Fayulu. O candidato de Lamuka descreveu os resultados como uma fraude eleitoral. Num comunicado na noite de ontem, 10 de Janeiro, os arcebispos e bispos da CENCO dizem que os resultados divulgados pela CENI não correspondem aos números apurados pelos seus observadores, suportando, desta forma, a ideia da fraude e de que Fayulu é o vencedor das eleições.