finalmente um “párem de nos matar”!

finalmente o Governo acordou e resolveu proteger- nos um pouco mais. Finalmente se vai pôr ordem nos cursos de graduação na área da saúde, onde se estava a formar máquinas ingénuas de matar. Parece que o Estado ouviu a sociedade. Há carência de hospitais e de centros de diagnóstico, assim como de medicamentos, é verdade, mas há também um excesso de técnicos e médicos formados só “na pimpa”. Gente que foi enganada e que pode matar sem saber o que está a fazer. E, já agora, houvesse mesmo mão firme, e os promotores de tais escolas e cursos deveriam encostar as costelas nas celas de cadeias por um tempo. Não é concebível, e fica gravado no livro da nossa vergonha, que funcionem em Angola cursos de Medicina sem um hospital de apoio, tal como os de Enfermagem e de Farmácia, sem laboratórios, sem cadáveres, sem herbários, sem aulas práticas, ministrados por “meros” licenciados e em instalações que algumas vezes são meras moradias de quatro quartos adaptadas. É isto o que temos, é com muitos destes profissionais que nos deparamos quando precisamos de assistência médica. Há sim que fechar esta festa, um Estado responsável não o pode permitir e deve assumir a exclusividade nesta matéria, se é mesmo pela defesa da vida e da dignidade dos seus cidadãos. Um bem haja ao Presidente pela medida.