“FestiSumbe” ressurge cinco anos depois

Depois de quase cinco interrompidos anos, o “FestiSumbe”, regressa à cidade do Sumbe, província do Cuanza-Sul. A promessa foi feita pelo actual governador Job Castelo Capapinha, quando falava num encontro de auscultação com jovens daquela urbe da costa angolana.

O Festival Internacional da Música do Sumbe, vulgo FestiSumbe, regressa depois da sua paralisação em 2015 devido supostamente a obras de requalificação que devia merecer a marginal daquele casco urbano, segundo justificações à época do director da Cultura local, Manuel do Nascimento da Silva.

A intenção, de acordo com as autoridades, era de virem a ser criadas melhores condições num novo local, por forma a conferir melhores condições para os artistas e público, que anualmente tinham o Sumbe como destino cultural e turístico.

Entretanto, o actual governador da província prometeu o regresso do aludido festival, que regressa num novo formato, ou seja os custos para a sua realização deverão ser repartidos entre o Estado e o sector privado, face à actual conjuntura financeira que o país atravessa.

Job Capapinha sublinhou que a intenção da sua governação é a AF_DStvNatal_imprensa_Pais_163,6×355,6mm_bonecos.pdf 1 18/11/18 19:47 de juntar os seus colaboradores à sociedade civil e juntos governarem. Para o efeito, quer contar com o apoio dos jovens podendo assim definir uma melhor estratégia durante a sua governação.

Reações

Os jovens da província e não só, reagiram positivamente quanto ao regresso ao festival, como é o caso do secretário Executivo do Conselho Provincial, António Quituxi, que frisou ser uma das grandes “lutas” que os jovens almejavam o seu regresso.

Por sua vez, o jovem Nelson Castro aplaudiu a notícia que dá conta do regresso do festival, tendo considerado que o “FestiSumbe” já fazia parte da agenda de muitas famílias, pois era um espaço que reunia jovens de quase todas as parte do país. “Vamos acreditar nessa promessa, porque até ver é bem possível que aconteça.

O novo governador é experiente nesse tipo de ambientes por via do Movimento Nacional Espontâneo que realizou uma série de maratonas pelo país. Por isso, dou mais do que o benefício da dúvida”, apontou.

O Festival Internacional da Música do Sumbe “FestiSumbe” arrancou em 2002 sob a chancela da Casa 70, depois passou pelo Sector 7 e mais tarde novamente com a Casa 70, até ao cancelamento do mesmo por quase cinco anos.