Faltam 400 professores no município do Cazenga

Apesar de o município ter sido contemplado com 280 novos professores, na sequência do concurso público realizado no ano passado, ainda assim, o quadro docente carece de mais recursos humanos de forma a suportar o grosso de alunos que todos os anos procuram as escolas daquela circunscrição

O município do Cazenga, um dos mais populosos da província de Luanda, carece, actualmente, de 400 professores para garantir o normal funcionamento das unidades académicas, segundo a directora local da Educação, Isael Leitão. Em entrevista exclusiva ao jornal OPAÍS, a responsável disse que ao todo eram precisos 680 professores. Porém, na sequência do concurso público realizado no ano passado, o município foi contemplado com 280 docentes, que poderão colmatar algumas das dificuldades. Ainda assim, as insuficiências continuam e espera-se, para breve, que haja mais concursos públicos, de forma a serem recrutados os 400 docentes que estão em falta. “De momento, vamos trabalhar com os que temos.

Os técnicos da delegação municipal e provincial começaram já os trabalhos para o enquadramento dos docentes recrutados no concurso público. Vamos aguardar por outros concursos e, quem sabe, ficaremos melhor servidos”, frisou. Com o arranque oficial do ano lectivo previsto para o dia 01 de Fevereiro, Isael Leitão fez saber que, no presente ano, novas vagas foram abertas para a inserção de mais alunos no sistema de ensino, sendo que da iniciação até à 7ª Classe foram disponibilizadas mais de 10mil vagas, enquanto no Ensino Médio e continuam e espera-se, para breve, que haja mais concursos públicos, de forma a serem recrutados os 400 docentes que estão em falta.

“De momento, vamos trabalhar com os que temos. Os técnicos da delegação municipal e provincial começaram já os trabalhos para o enquadramento dos docentes recrutados no concurso público. Vamos aguardar por outros concursos e, quem sabe, ficaremos melhor servidos”, frisou. Com o arranque oficial do ano lectivo previsto para o dia 01 de Fevereiro, Isael Leitão fez saber que, no presente ano, novas vagas foram abertas para a inserção de mais alunos no sistema de ensino, sendo que da iniciação até à 7ª Classe foram disponibilizadas mais de 10mil vagas, enquanto no Ensino Médio e PUNIV contam com 3 mil e 553 novas vagas. Neste sentido, a responsável esclareceu que, ao todo, o exercício académico naquela circunscrição vai contar com um quadro efectivo de 250 mil alunos, distribuídos nas mais diversas escolas espalhadas pelo município. “Continuamos a preparar todo o processo para o arranque do ano lectivo. E, apesar de faltarem mais professores, tudo faremos para que seja um bom ano escolar”, assegurou.

Faltam 6 mil carteiras

Segundo ainda Isael Leitão, o município tem registado avanços no domínio da educação com a requalificação, apetrechamento e construção de novas escolas. Só no exercício académico 2019/2020, adicionando às unidades já existentes, o Cazenga vai contar com três novas escolas: uma do Ensino Primário, um Magistério e um Instituto Médio de Saúde construído no distrito urbano do Kalawenda. Apesar destes avanços, a delegada local da Educação manifestou-se preocupada com algumas insuficiências que assombram o sistema. Neste momento, conforme deu a conhecer, o município precisa de 6 mil carteiras para devolver a conforto e o sossego a comunidade estudantil. Esta situação já é do conhecimento da Administração do município, bem como da Direcção Provincial da Educação, que estão a envidar esforços para a sua resolução. “Ao nosso nível temos vindo a apetrechar algumas escolas com carteiras, mas é um processo muito lento. O importante é que já informamos os nossos superiores e esperamos que, em breve, tenhamos garantido o apetrechamento global das escolas”, disse.

error: Content is protected !!