IV edição do CIT apresenta peças que retratam o continente africano

O CIT é um evento promovido pela Companhia Teatral Pitabel, decorrerá sob o lema “Projectar África com o teatro”, onde serão exibidas 50 espectáculos de grupos nacionais e internacionais

A IV edição do Circuito Internacional de Teatro (CIT), que decorrerá de 28 de Julho a 17 de Setembro na Liga Angolana de Amizade e Solidariedade com os Povos (LAASP) e no Centro de Conferencia de Belas, em Luanda, vai exibir peças que retratam o continente africano. O evento, promovido pela Companhia Teatral Pitabel, decorrerá sob o lema “Projectar África com o teatro” e serão exibidos 50 espectáculos de grupos nacionais e de outros oriundos de Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guine Bissau e do Brasil.

O coordenador do festival, Adérito Rodrigues, em conversa com OPAÍS avançou que nesta edição as exibições estarão estritamente ligadas aos conteúdos africanos, através de obras de autores africanos. “Os grupos serão livres na criação das suas peças para o CIT, mas todas elas deverão abordar sobre o continente berço. Foram inscritos nesta edição mais de 178 grupos das várias províncias do país, bem como estrangeiros”, explicou. Nesta edição serão realizadas varias actividades, como a 1ª Conferência Internacional de Teatro, em parceria com a Associação Butu.

Adérito Rodrigues avançou que um dos objectivos da conferência é o de incentivar os grupos para a adaptação de obras clássicas. “É difícil ver grupos africanos a adaptarem obras clássicas de grandes ícones como os europeus. Então, pretendemos valorizar e despertar o continente, incentivá-los a esta prática, de modos a mostrarem ao mundo o seu talento”, observou. Durante a realização do CIT, evento que tem promovido o intercâmbio entre os grupos, será ainda a atribuído o prémio “Obra 100% africana”.

Balanço

Quanto a edição passada do evento, Adérito Rodrigues fez um rescaldo positivo, com a estreia de 32 peças. “Foi um facto inédito no nosso país. Isso implica dizer que os grupos trabalharam, que cada vez mais estão a firmar-se neste evento”, considerou. Sobre à adesão ao CIT referiu que baixou gradualmente, tendo registado 13 mil assistências, número inferior em comparação com as edições realizadas. O evento de carácter anual tem como objectivo incentivar o intercâmbio teatral entre grupos e companhias de teatro nacionais e de grupos internacionais, valorizar o processo de criação das artes cénicas e estimular a produção. Para além da exibição de peças teatrais são ainda realizados palestras, workshops e formação em matéria de artes cénicas com os diferentes grupos para a busca de intercâmbio entre o país organizador e os seus convidados.

Homenagem

Desde o seu arranque, neste evento, de caracter anual, foram homenageadas varias figuras que contribuíram para o desenvolvimento da Cultura Nacional. Nesta edição a homenageada será a escritora e dramaturga Agnela Barros. Adérito Rodrigues realçou que Agnela Barros, com muitos anos de carreira é formada em teatro, principalmente na área de pesquisa popular africana. “Todavia, para nós, é uma responsabilidade homenageá- la, primeiro por ser mulher, segundo, por ser uma pessoa que, para além de estar ligada ao teatro, estuda e está a formar-se para o desenvolvimento do teatro africano a nível do mundo”, observou. Disse ainda que as homenagens realizadas a várias figuras como António Agostinho Neto e José Mana Abrantes têm como objectivo de incentivar e motivar os cidadãos que muito vão dando para o desenvolvimento do teatro.