Menos de 70 profissionais asseguram o INEMA em Luanda

Menos de 70 profissionais asseguram o INEMA em Luanda

Pouco menos de 70 profissionais e 12 ambulâncias asseguram o normal funcionamento do Instituto Nacional de Emergência Médica de Angola (INEMA) em Luanda, revelou Constantino Francisco, representante da comissão de gestão local. Ao intervir na cerimónia de inauguração das instalações que albergam a sua equipa na capital do país, explicou que a quantidade de profissionais de que dispõe representa o equivalente a cerca de 10% de pessoal globalmente requerido para este desafio, sendo que as ambulâncias equivalem a cerca de 15% do mínimo necessário.

Face a essa situação, Constantino Francisco pediu à ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, solidariedade institucional e sensibilidade na resolução e na advocacia, ao mais alto nível, dos principais objectivos do departamento. Por outro lado, anunciou que os membros da sua equipa vão dedicar- se com disciplina ao exercício das suas funções, todavia, para satisfação das necessidades requere-se maior investimento no capital humano e nos seus valores. Garantiu que os utentes dos seus serviços são atendidos com conhecimentos, habilidades, atitudes, valores e ética.

O profissional de Saúde explicou que esses elementos só são possíveis com investimento em infra-estruturas, equipamentos, na regulação, regulamentação, na coordenação, na supervisão e fundamentalmente na formação permanente específica e especializada de todos os grupos de profissionais intervenientes no processo. De acordo com Constantino Francisco, a inauguração da referida instalação enquadra-se na segunda fase, sobre infra-estruturas para a assistência técnica e manutenção dos equipamentos, sendo fundamental para garantir a longevidade dos meios ao seu dispor. “Para nós, profissionais do INEMA – Luanda, este acto de lançamento, além do simbolismo de que se reveste, é também uma oportunidade de o encararmos como um novo desafio que garantimos assumir com responsabilidade e cumpriremos com zelo”, frisou Constantino Francisco.

ocasião, que o Ministério da Saúde (MINSA) tem levado a cabo acções de instalação e expansão de serviços de assistências pré-hospitalar em todas as sedes de província. Neste momento, o INEMA central alargou a prestação dos seus serviços a 17 das 18 províncias onde já funcionam os respectivos departamentos locais. Deste modo, os técnicos acreditam que se vai tornar o INEMA Central mais disponível para a concretização dos marcos definidos no Programa Nacional de Desenvolvimento (PND) 2017/2022. Afirmou que a constituição de departamentos provinciais do INEMA enquadra-se na estratégia do Executivo sobre a desconcentração e descentralização administrativa. “Passados sete anos da existência do INEMA, o MINSA instala em Luanda o departamento provincial desta instituição”, disse a governante.

A infra-estrutura é tutelada pela direcção central da referida instituição e, pela sua situação territorial, gozará de dupla dependência, sendo a metodológica pela direcção central e a administrativa pelo Governo Provincial de Luanda, através de seu gabinete de Saúde. A ministra da Saúde garantiu que para atender às carências da capital do país foram disponibilizados mais de 70 profissionais pelo órgão central, sendo sete médicos, 40 enfermeiros e 25 motoristas, apoiados por 11 ambulâncias, e augura que este novo serviço sirva efectivamente os interesses do cidadão. Sílvia Lutucuta ressaltou que o serviço do INEMA é garantir assistência pré-hospitalar e a evacuação assistida a pessoas atingidas por doenças súbitas ou em perigo iminente de vida, em tempo oportuno. Confrontado com as necessidades, quer estabelecer e adequar a estrutura orgânica e o modo de funcionamento de forma a corresponder às exigências actuais.

O INEMA de Luanda encarrega- se de desenvolver políticas sobre a modernização dos serviços, coordenação e integração dos departamentos, treinamento do pessoal técnico e leigos da sociedade civil no âmbito dos serviços integrados de imergências médicas. Faz parte ainda das suas responsabilidades cobrir os grandes eventos nacionais e internacionais, tais como conferências inter-ministeriais, peregrinações a nível do país e no estrangeiro e ainda todos os actos de subordinação central. O INEMA provincial vai encarregar- se da transferência inter-hospitalar, do resgate das vítimas de sinistralidade em zonas suburbanas, da assistência pré-hospitalar, da elaboração de dados estatísticos e reportar ao INEMA Central. Sílvia Lutucuta comprometeuse a continuar a criar condições de modo a que nos próximos anos o INEMA chegue aos municípios e comunas com serviços competentes no âmbito técnico e operativo. Sublinhando que “a máxima de trabalho deve ser o diálogo e a interacção, reflectindo o modo de operar”. Aconselhou ainda a nunca se perder o lema “INEMA, um instrumento de assistência sanitária do povo e para o povo”.