comboios de Luanda voltam aos carris na Segunda- Feira

Após o “braço de ferro” que perdurou mais de dez dias, o sindicato dos trabalhadores dos Caminho-de-Ferro de Luanda decidiu dar o benefício da dúvida à entidade patronal. Entretanto, alertam que não havendo cumprimento do acordo, em Abril retornarão à paralização

O responsável do gabinete jurídico do sindicato de trabalhadores dos Caminhos- de- Ferro de Luanda (CFL), Ditoloca Kinkela, afirmou, ontem, em Luanda, que a partir de Segunda-feira, 28, poderá ser reposto o serviço de comboio, após ser suspensa a greve na assembleia de trabalhadores agendada para hoje.

Em depoimento a este jornal, o responsável salientou que a comissão que encabeçava a negociação com a entidade empregadora decidiu aceitar a proposta do titular do Ministério dos Transportes, Ricardo de Abreu, “de trabalharem até ao final do mês de Março de forma a gerar receitas para que lhes seja feito o incremento salarial”. Esta decisão aparece depois de ter-lhe sido entregue o memorando da última reunião de negociações, isto no dia 18, que estava em falta.

Deste modo, voltarão a exercer as suas funções até ao final do mês de Março, altura em que lhes foi prometido o incremento salarial. Entretanto, realçou que se a entidade empregadora violar o memorando, “esquivando-se” da sua palavra, retornarão à greve e desta vez irão criar mais embaraços em relação ao que se verifica.

Por seu turno, o porta-voz da instituição , Augusto Osório confirmou a suspensão da greve, salientando que, deste modo, já não há necessidade de se solicitar a presença de trabalhadores das províncias de Benguela e do Namibe para substituir os grevistas.

Importa realçar que os trabalhadores dos Caminhos-de- Ferro de Luanda decretaram greve a 14 de Janeiro de 2019, para reivindicarem, entre outros aspectos, aumento salarial e melhores condições laborais. No cerne da discórdia centravase a falta de condições para o aumento salarial, na ordem dos 80 por cento, como invocava a entidade patronal e os trabalhadores não aceitavam esta justificação

leave a reply