Editorial: Alerta vermelho no moco

O alerta veio do assessor do gabinete provincial do Huambo do Ambiente, Gestão de resíduos e Serviços Comunitários, Moras Cordeiro, quando orientava uma palestra sobre a “ Preservação do Morro do Moco”, tendo considerado importante a criação de acções imediatas, para se conter a acção do homem, que está a causar o desaparecimento de varias espécies da fauna e da fl ora neste lugar, o Morro do Moco, o ponto mais alto de Angola. E, de repente, talvez o país se lembre de preservar um dos seus mais importantes postais, que pode ser também um activo económico. Mas explorar o Moco de forma sustentada dá trabalho, e para isso, nem o empresariado nacional, nem o Governo estão virados.