Província do Cuanza-Sul com 40 Megawatts de consumo de energia eléctrica

A província do Cuanza-Sul actualmente tem um consumo de energia eléctrica na ordem de 40 Megawatts e uma potência instalada de 91 Megawatts, fez saber, o director da Empresa Nacional de distribuição de Energia (ENdE) da província, rosário de Almeida

Em entrevista a OPAÍS, o director da Empresa Nacional de Distribuição de Energia (ENDE) na província, Rosário de Almeida, disse que dos 12 municípios que a província possui, apenas cinco, beneficiam de Energia eléctrica 24 horas/dia, a partir de fonte hídrica. Os municípios do Sumbe, Porto Amboim, Amboim (Gabela) e Libolo são os que beneficiam de energia eléctrica vinda do aproveitamento hidro-eléctrico de Cambambe, os restantes possuem geração própria e, por isso, são considerados isolados. “Em termos de distribuição estamos em cinco municípios da província. Portanto, Sumbe, Gabela, Porto-Amboim, Libolo e Waku-Kungo.

Estamos bem assistidos com o fornecimento de energia a partir de Cambambe e não temos grandes dificuldades de energia. Neste momento o Cuanza-Sul está bem abastecido e o sistema é estável”, disse. Explicou ainda que destes cinco municípios onde estão estabelecidos, o Waku-Kungo ainda depende das Centrais Térmicas, provisoriamente, porque a partir deste ano terá energia proveniente do Laúca que vai para o Huambo. Para além de alimentar o Waku-Kungo, a mesma energia servirá para a Quibala e o Ebo. Os municípios que beneficiam de fonte hídrica têm as suas sedes sob tutela da Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade, ENDE- EP, e por esta razão são os que menos constrangimentos apresentam.

Em reportagem nalguns municípios dessa província, o OPAÍS constatou que noutros sete municípios o fornecimento de energia é feito por grupos de geradores com regime de funcionamento de cerca de 8 a 10 horas/ dia, e com muitas alternâncias devido ao estado técnico dos grupos e muitas vezes por falta de combustível. Nas sedes municipais sob tutela da ENDE-EP, os investimentos têm sido bastante notórios e diversificados, pois temse assistido à expansão das redes de distribuição para as zonas mais afastadas das sedes dos municípios, com a instalação de redes de Média, Baixa Tensão e Postos de Transformação de diversas capacidades.

ENDE com objectivo de levar energia a todas as sedes municipais

De acordo com o responsável, o grande objectivo da ENDE é distribuir energia às populações e fazer chegar a sítios onde não existe, porque é uma grande oportunidade para alavancar o parque industrial e atrair o investimento privado, pelo que só desta forma irão impulsionar o desenvolvimento na zona. “O nosso grande objectivo é chegar até às sedes municipais. Neste momento estamos em cinco e a nossa perspectiva é chegar à Quibala, Ebo, Conda e Seles”, afirmou. Contou ainda que neste momento estão a fazer a expansão de energia na zona da Zâmbia, uma localidade que ainda não tem energia da ENDE. Igualmente construíram no Sumbe, como forma de expansão de energia na cidade, dois PT, na perspectiva de colocarem também energia em Calele, na entrada de Porto-Amboim.

Fez saber que sofreram roubos de cabos de terra no município do Porto-Amboim e Sumbe em duas torres, mas já foram encontrados os malfeitores e entregues ao Serviço de Investigação Criminal. Quanto ao consumo doméstico, a Empresa Nacional de Distribuição de Eléctricidade (ENDE) tem actualmente cadastrados 48 mil clientes em toda a província e deste número cinco mil e 500 estão na condição de pré-pagos. A empresa tem 189 trabalhadores. O Cuanza- Sul tem uma área de 57 mil 811 quilómetros quadrados, com uma população aproximada de 1.793.787 habitantes (Censo de 2014). É a quinta província mais povoada, depois de Luanda, Huíla, Benguela e Huambo.