Angola e Namíbia Investem USD 1. 2 mil milhões para a construção da barragem Binacional de Baynes

A comissão Técnica Permanente conjunta para o rio cunene (cTPc) reuniu-se nas instalações da central Hidro-ecléctrica de Laúca para analisar os estudos em curso para a construção da barragem hidro-eléctrica binacional de Baynes, visando a optimização dos recursos hídricos que Angola e namíbia partilham, cuja aprovação remonta a novembro de 2014, com base num estudo de viabilidade concluído em 2013

POR: Miguel José, em Malanje

No fim do encontro com o seu homólogo namibiano, nesta Sexta-feira, em Laúca, província de Malanje, o ministro angolano da Energia e Águas, João Baptista Borges, anunciou que o início das obras de construção do empreendimento eléctrico sobre o rio Cunene, na fronteira entre Angola e a Namíbia, previsto para 2021, está estimado em 1,2 mil milhões de dólares e a sua execução levará sete anos, de acordo com as conclusões das partes. João Baptista Borges falava no final da 29ª Reunião da CTPC e avançou que cada Estado deverá empregar 50 por cento do valor, ora, acordado, e que projecto abre vagas para o financiamento público-privado, de maneira a aliviar a sobrecarga sobre os orçamentos públicos de ambos os países.

Porém, além do empreendimento hidro-eléctrico, com previsão de execução em sete anos, também engloba a construção de estradas e de outras linhas de interligação entre Angola e a Namíbia, na perspectiva de assegurar as trocas comerciais entre os dois países. “Nesta fase, está em curso um aturado trabalho de impacto ambiental, bem como o estudo de viabilidade técnico-económico, que vai culminar com o lançamento do concurso do projecto e consequente contratação do empreiteiro, em 2020”, enfatizou o ministro angolano do sector. Ainda de acordo o titular ministerial da Energia e Águas, a importância da construção da barragem de Baynes reside no impulso ao desenvolvimento de vários projectos localizados no Norte da Namíbia e no Sul de Angola, que carecem de energia eléctrica.

Da parte namibiana, o ministro das Minas e Energia, Tom Alweendo, também concorda que o projecto, uma vez concretizado, além de ajudar na potencilização da industrialização de ambos os países, o seu impacto vai-se estender a outros países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e irá melhorar a qualidade das condições sociais dos seus respectivos habitantes. Com base nos estudos já efectuados, o Aproveitamento Hidroeléctrico de Baynes será constituído por uma barragem de enrocamento com face de betão, com 200 metros de altura, mil e 25 de comprimento de coroamento, 40 quilómetros de albufeira e uma área inundada 58,15 km quadrados, num nível de pleno armazenamento.

No entanto, a central energética está projectada para gerar 600 MW de potência, que será repartida na ordem de 50 por cento entre os dois países. Com duração de cinco dias, a 29ª Reunião da CTPC juntou altos funcionários dos ministérios da Energia e Águas de Angola e das Minas e Energia da Namíbia. Também participaram no encontro, o governador provincial de Malanje, Norberto dos Santos “Kwata Knawa”, e o embaixador da Namíbia acreditado em Angola, Patrick Nandago, entre outras personalidades.

error: Content is protected !!