Governador de Luanda defende mais atenção aos antigos combatentes do 4 de fevereiro

O governador provincial de Luanda, Sérgio Rescova, defendeu ontem, no Cazenga, maior atenção aos antigos combatentes de 4 de Fevereiro, que lutaram para a libertação do país do jugo colonial português

Discursando no Marco Histórico do município do Cazenga por ocasião do 58º aniversário da luta armada de libertação nacional, o governante disse que os mesmos não devem ser lembrados apenas nesta data. Sérgio Rescova disse que, apesar de a luta de libertação nacional ter várias etapas e vários protagonistas, não é justo que se fale ou se lembre apenas destes quando chega o mês de Fevereiro.

Depois de destacar a importância que representa esta data para os angolanos, afirmou ser imperioso que este dia sirva de reflexão e de exemplo no desempenho da actividade laboral para o bem das populações.

Da parte do Executivo que dirige a nível da província de Luanda, reafirmou o compromisso de proporcionar melhores condições aos antigos combatentes. Durante a sua intervenção, Sérgio Rescova apelou aos administradores municipais e distritais a irem ao encontro dos antigos combatentes para receberem deles ensinamentos que podem auxiliar a sua governação. Segundo ele, o apoio de que os antigos combatentes precisam nem sempre é material, mas às vezes moral, daí a necessidade de se estar permanentemente com eles para auscultar as suas necessidades.

O governador, aproveitou a ocasião para apelar aos munícipes de Luanda para redobrar o trabalho com “responsabilidade, disciplina e dedicação, a fim de melhorar as condições de vida da população, principalmente o saneamento básico”.

O Marco Histórico do Cazenga é ponto de partida da luta de libertação nacional, erguido em homenagem aos combatentes que participaram na sublevação contra a ocupação colonial portuguesa em Angola, em 1961. O acto foi presenciado pelo ministro dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, João Ernesto dos Santos(Liberdade), governantes e deputados

leave a reply