Angola e RDC reforçam cooperação bilateral

O Presidente da república, joão Lourenço, afi rmou ontem continuar a estreitar as relações de cooperação e de amizade com a república democrática do congo(rdc)

João Lourenço fez esta afirmação no Palácio da Cidade Alta, em Luanda, durante uma conferência de imprensa conjunta, no âmbito da primeira visita a Angola do novo Presidente da República Democrático do Congo, Félix Tshisekedi, sendo a primeira ao estrangeiro na qualidade de Chefe de Estado.

Apontou as áreas de segurança, ordem pública, migração, comércio e transfronteiriço, como sendo prioritárias para os dois países. “Se formos pragmáticos, acredito que todos venceremos, paulatinamente vamos ultrapassar alguns desafios comuns”, afirmou o Chefe de Estado angolano.

Durante o seu discurso, o Presidente da República manifestou, também, o interesse de partilhar experiências nas áreas de infraestruturas, eletrificação, industrialização e outros sectores.

“Estamos a discutir e negociar formas de Angola poder beneficiar da barragem do Inga para Cabinda e outras localidades fronteiriças do Zaire”, disse. Reforçou que está, também, a ser analisada, entre os dois países, a melhor exploração e utilização dos Caminhos-de-Ferro de Benguela(CFB) e do Porto do Lobito para o escoamento dos mineiros exportados da região de Katanga para os mercados internacionais.

Situação política estável na RDC Por seu turno, o Chefe de Estado Congolês afirmou ser uma maisvalia cooperar em vários os projectos existentes, tendo apontado como ponto de partida o projecto da zona de comércio livre da União Africana.

Durante o seu pronunciamento, o Presidente da RDC considerou que a actual situação política no seu país é estável, após a realização de eleições gerais de Dezembro último, tendo minimizado os protestos de alguns partidos políticos que contestaram a sua eleição, considerando ser “normal em democracia”.

Sustentou que nunca houve eleições perfeitas no mundo, realçando que o grande êxito nestas eleições foi ter sido dado um sinal histórico, que consistiu numa transição política em 59 anos da Independência do seu país.

Felix Tshisekedi avançou que após esta transição política pacífica, a RDC entra agora num período de estabilidade e alternância no poder, afirmando que as gerações anteriores nunca tiveram este privilégio.

Repatriamento Sobre o reapatriamento de cidadãos estrangeiros ilegais, com realce para os seus concidadãos, durante a “Operação Transparência”, o Presidente da RDC disse ser legítimo que Angola proteja as riquezas, mas defende que as expulsões devem ser feitas com dignidade. Félix Tshisekedi pediu “mais respeito e dignidade” às autoridades angolanas no processo de expulsão do território dos seus cidadãos.

error: Content is protected !!