Número de mortes por ébola na RDC sobe para 488

Segundo os dados mais recentes da oMS, até 5 de Fevereiro foram registados 789 casos de infecção com o vírus ébola (735 confirmados e 54 prováveis). o índice de mortalidade global atingiu os 62%

Quase 500 pessoas morreram já na República Democrática do Congo (RD Congo) infectadas com o vírus ébola, numa altura em que o número de contágios continua relativamente alto, mas há sinais encorajadores, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). De acordo com os dados mais recentes da OMS, até 5 de Fevereiro foram registados 789 casos de infecção com o vírus ébola (735 confirmados e 54 prováveis), tendo sido registadas 488 mortes, mais 23 do que na última actualização feita pela organização. O índice de mortalidade global atingiu os 62%. Até ao momento, 267 pessoas tiveram alta dos centros de tratamento de ébola, passando a integrar o programa de monitorização da doença.

Na maioria dos casos registados, os doentes eram mulheres (58%) e 30% tinham menos de 18 anos. Foram registadas cinco novas infeções em trabalhadores dos serviços de saúde nas regiões de Katwa e Kalunguta, elevando para 67 o número de profissionais infectados até à data. As regiões de Katwa e Butembo continuam o epicentro do surto, concentrando 71% dos casos registados nas últimas três semanas. Entre 16 de Janeiro e 5 de Fevereiro, foram registados 119 casos de infecções pelo vírus ébola em 13 zocunas sanitárias. De acordo com a OMS, a análise epidemiológica continua a apontar para a transmissão devido a práticas inadequadas de prevenção e controlo da infecção, atrasos persistentes na detecção e isolamento de novos casos, mortes frequentes na comunidade e subsequente contacto com o falecido e contágio nas redes familiares e comunitárias, como principais impulsionadores da transmissão contínua da doença.

A OMS assinala que continuam a existir bolsas de resistência por parte das comunidades ao trabalho dos médicos, mas ressalta que as equipas de emergência continuam “comprometidas em fortalecer activamente a confiança e a participação da comunidade em todas as áreas afectadas”. “Estão a começar a observarse melhoras tangíveis em Katwa e em outros lugares. A zona sanitária de Komanda ultrapassou recentemente o período de maior risco de transmissão, com o último caso registado a 11 de Janeiro”, adianta a OMS. A actual epidemia de ébola é já a maior da história do país em número de mortos e contágios. A RD Congo foi atingida nove vezes pelo ébola, depois da primeira aparição do vírus, em 1976. Em 1995, o ébola provocou a morte a 250 pessoas na cidade de Kikwit, na província de Kwilu, no Sudoeste da RD Congo.