Editorial: Médicos e outros assuntos

Agora a discussão no país é sobre o número total de médicos, e há quem exija a integração imediata dos dois ou três mil que dizem estar desempregados. A ministra diz que nos faltam trinta mil. Portando, ter dois mil desempregados ( maioria destes apenas não está integrada na função pública, mas exerce) é um luxo. Vamos por partes. Tirando Cuba e mais um ou dois casos, todos os países do mundo têm falta de médicos, ou não os têm em número sufi ciente para haver folga nos sistemas. Por outro lado, médico que é medico não se faz apenas no curso, tem de trabalhar, pesquisar, aprender e ter formação constante. Mas há ainda um aspecto: o Estado tem de criar condições para que as pessoas recorram menos aos médicos. Mas isso já nem interessa, o importante é que nos estão a dizer que passaremos a pagar a assistência médica, furando a Constituição.