Equipa técnica trabalha na reposição do CfB, após acidente

Uma equipa constituída por técnicos do Caminho de ferro de Benguela (CFB), do Instituto Nacional dos Caminhos de Ferro de Angola (INCFA) e de uma empresa chinesa trabalha desde Sexta-feira última no local onde ocorreu o acidente ferroviário na área de Cavimbe, comuna do Cangumbe, província do Moxico, para a reposição da linha

A informação foi avançada neste Sábado à imprensa pelo presidente do Conselho da Administração do CFB, Luís Lopes Teixeira, no termo da visita efectuada a localidade, em companhia do vice-governador provincial para o Sector Político, Económico e Social, Carlos Alberto Masseca. Explicou que os trabalhos do acidente, provocado por erro humano, consistem na remoção dos destroços dos comboios e alinhamento dos carris.

Esclareceu que a colisão entre o comboio cisterna de gás e o de carga diversa que seguiam no mesmo sentido, Luena-Cuito, causou danos materiais na linha férrea e nos vagões (vazios) das duas composições. O PCA do CFB disse que a sua empresa vai instaurar um inquérito profundo que incluirá entrevistas às tripulações das locomotivas, recurso aos dados dos dispositivos (caixas pretas) e do Centro de Comando e Circulação do Lobito, para se apurar as verdadeiras causas do desastre. Sem revelar a data da retomada dos serviços regulares dos comboios nessa via, o PCA garantiu que os trabalhos serão feitos rapidamente, para permitir a circulação de pessoas e bens no percurso Cuíto (Bié) – Luena (Moxico).

Para reforçar a precaução e segurança na via, prometeu apetrechar, a partir de Março, os Comboios do CFB, com equipamentos adicionais, adquiridos na África do Sul, com vista a prevenir acidentes deste género. A propósito, o gestor dos Caminhos de Ferro de Benguela pediu calma e paciência aos passageiros retidos nas estações do Huambo, Cuito e Luena, e desculpas pelos transtornos causados. O vice-governador do Moxico enalteceu a pronta resposta do CFB na realização dos trabalhos de restituição da via que, para além de passageiros, transporta combustível, gás butano, entre outras mercadorias para a região Leste do país e territórios vizinhos. Referiu que enquanto decorrem os trabalhos de alinhamento dos carris, o Governo provincial vai estudar com a Sonangol vias alternativas para a transportação dos seus produtos, com vista a evitar a ruptura de stocks na região.

Este é o primeiro caso de colisão entre comboios desde a reinauguração dos Caminhos de Ferro de Benguela, em Agosto de 2012. Com um percurso de 1.344 quilómetros de extensão, a partir da cidade portuária do Lobito, passando pelo interior do país, até ao Luau (Moxico), o CFB surgiu em Novembro de 1902, ligando Angola à RDCongo e Zâmbia. ANGOP