Editorial: Entre falar e fazer…

Uma fábrica de água mineral e outra de chapas de Zinco no sector de quissol e no bairro Canâmbua, município de Malanje, encontram- se paralisadas há mais de dois anos por falta de energia eléctrica, anunciou o director regional do grupo Freimar, Manuel Junqueira. As fábricas fecharam porque a empresa não suportava os custos da compra de combustível para os geradores. Há que perguntar aos políticos e governantes angolanos, se permitir situações como estas estão mesmo a ajudar o país. duas fábricas paradas signifi cam menos oferta nacional para contrariar as exportações, menos postos de trabalho, directos e indirectos, e mais famílias com dificuldades. E também menos arrecadação de impostos para o Estado. Há coisas completamente inadmissíveis.