Artistas angolanos e marroquinos partilham experiências no domínio das artes visuais

O objectivo é pesquisar, documentar e criar pontes de diplomacia artística e cultural entre artistas dos dois países

Os artistas António Ole e Paulo Kussy, conselheiro para as Artes Visuais do Ministério da Cultura, iniciaram ontem, Quarta-feira, 20, uma visita de pesquisa a Marrakech (Marrocos), uma das maiores e mais novas capitais de Arte Contemporânea do continente africano. A visita dos criadores angolanos àquele país do Magrebe está a ser coordenada por Dominick Maia Tanner, fundador da Galeria ELA – Espaço Luanda Arte e prolongar-se-á até 26 deste mês. A iniciativa visa, entre outros aspectos, pesquisar, documentar e criar pontes de diplomacia artística e cultural entre Marrocos e Angola.

É apoiada institucionalmente pela embaixada de Marrocos em Angola, a Saham Seguros e a Royal Air Maroc, empresas com actividade em Angola. Ao enaltecer o gesto, o director do ELA, Dominick Maia Tanner, manifestou a sua satisfação e o sentido de responsabilidade ao voltar a representar a Arte e a Cultura Angolana numa das maiores e mais novas capitais de Arte Contemporânea do continente africano. O também produtor e crítico de arte recordou que este ano a II Edição da Feira de Arte apresentará 18 galerias internacionais e o trabalho de mais de 65 artistas estabelecidos no mesmo local.

Salientou que na primeira edição, que aconteceu a 25 de Fevereiro de 2018, a Feira de Contemporânea Africana 1-54 inaugurou em Marrakech, numa área emblemática da cidade: o hotel La Mamounia. A feira foi Fundada em 2013 por Touria El Glaoui e vai demonstrar a visão ampla do criador e o potencial do continente berço, onde os seus artistas muitas vezes não são tidos em conta no mundo da arte.