Reabilitação dos portos da província do Namibe com USD 600 milhões

Reabilitação dos portos da província do Namibe com USD 600 milhões

Seiscentos milhões de dólares foram concedidos pela Agência Japonesa de Credito à exportação e bancos privados para a construção do novo terminal de contentores do Porto Comercial do Namibe e reabilitação do Porto Mineiro do Saco- mar nesta província. O projecto, apresentado ontem às entidades governamentais, empresários e à sociedade civil, vai gerar mil e 500 novos postos de trabalho, num período de três anos, e será executado pelo consórcio Toyota Tsusho Corporation e pela empresa Japonesa “ TOA Corporation.

No acto de apresentação feito pelo presidente do Conselho de Administração da Toyota Corporation em Angola, Nuno Borges, salientou que as obras iniciarão em Setembro deste ano, com a expansão do novo terminal de contentores do porto comercial, financiado em USD 400 milhões para a construção de 288 metros de cais, enquanto os outros 200 milhões de USD estão destinados à recuperação da ponte cais para a exploração de minério do Saco-mar, num período de execução de 32 meses. Disse que o porto mineraleiro, após a sua conclusão, poderá exportar minério de ferro de Kassinga, província da Huíla, gerar receitas de exportação, promover emprego, quer no porto quer nas minas e desenvolvimento dos recursos minerais, sendo um dos planos mais importantes do governo angolano.

Nesta empreitada, vão ser executados, no porto mineiro do Saco- mar, trabalhos marítimos, construção de nova ponte cais e suas infra-estruturas, área on shore e outros edifícios. O PCA da Toyota realçou que “o terminal de contentores será considerado como um porto estratégico para o desenvolvimento da região Sul do país, que integra as províncias do Namibe, da Huila, do Cunene, assim como o Cuando-Cubango, onde serão desenvolvidos importantes projectos com destaque para os sectores da agricultura, agro-indústria, minério, madeira, petróleo e turismo”, citou. A seu ver, este será um empreendimento de porta de saída para países encravados como a Zâmbia, Botswana e parte da Namíbia, este último ligado ao Namibe pelo mar. O gestor referiu igualmente que o futuro Porto Comercial será uma infra-estrutura económica de transbordo para outros portos da região, sublinhando que o projecto do Ministério dos Transportes está destacado como programa no âmbito da formação, modernização e revitalização do sector marítimo e portuário de Angola.