Quando a crítica social rende dinheiro no Youtube

falam das dores da sociedade com humor e com isso ganharam notoriedade, seguidores e, agora, dinheiro. O negócio tem-se tornado tão rentável que o grupo já recebeu propostas de produtoras que os querem agenciar

Assuntos que marcam o quotidiano social, tanto na esfera política e religiosa, os hábitos e costumes culturais angolanos, a relação entre a sogra e a nora, bem como lembranças da infância a cada dia que passam vão parar às salas de teatro, às televisões e às diversas estações radiofónicas que emitem no país. Entretanto, são vários os jovens angolanos que ousaram expressar as suas críticas, através de técnicas humorísticas, num meio de comunicação de abrangência universal, a plataforma digital Youtube (site de compartilhamento de vídeos enviados pelos usuários), e, com isso, ganhar algum dinheiro. Juntando a arte do teatro, da música e da dança em vídeos amadores que são publicados na referida plataforma, estes youtubers (indivíduos que têm um canal/página no Youtube) levam os internautas a momentos de reflexão, com gargalhadas que chegam a ser incontroláveis.

O mercado dos youtubers começa a ganhar abrangência em território angolano, OPAÍS manteve, recentemente, uma conversa com os humoristas do trio “Casal do Ano”. A escolha deles não foi por mero acaso. Um dos seus vídeos atingiu mais de um milhão de vizualiações em pouco menos de seis meses. Madalena Zacarias, de pseudónimo artístico “Madó”, autora do canal no Youtube (Cenas boas), Samuel Mavolo, também conhecido por “Zico Model”, autor de (Vidas loucas) e Wilson Tavares, cujo canal tem o mesmo nome, são os três integrantes do grupo que tem agitado as redes sociais. Em entrevista a este jornal os jovens que preferiram não revelar as suas idades, afirmaram que inicialmente cada um trabalhava de forma individual, ou seja, na produção dos seus vídeos e gestão das contas nas redes sociais, até que um encontro casual na TV Palanca cabou com a perspectiva individualista de Zico e de Madó.

“Quando conheci a Madó, em 2018, apaixonei-me pelo seu trabalho e não demorou muito para que começássemos a gravar juntos. Foi daí que surgiu o nome do projecto “Casal do ano”. Gravamos o vídeo “da rolote”, que em menos de seis meses atingiu mais de um milhão de visualizações. A partir daí não parámos”, detalhou Zico. Acrescentando que pouco tempo depois juntou-se à dupla o jovem Wilson Tavares, assumindo o papel de realizador. A ele coube-lhe a missão de idealizar os conteúdos a serem gravados, bem como a produção e edição do material antes de ser publicado no Youtube, Facebook, no Istagram e partilhado no WhatsApp. Apesar de terem esse cuidado prévio na idealização dos conteúdos, como artistas, os jovens deixam a criatividade falar mais alto.

Não dispõem de dias e horários fixos para gravarem, muitas das vezes estão juntos e com auxílio dos seus smartphones produzem o material consoante a inspiração momentânea, dependendo do assunto que esteja a ser alvo de debate pela sociedade. Um dos exemplos mais recentes aconteceu com os vídeos em que abordam a suposta inauguração de um quebra molas na província do Moxico, a falta de táxis, etc. “Seja qual for o assunto, nós conseguimos transformá-lo em algo verdadeiramente humorístico”, garantiu Madó, salientando que vezes há em que são feitas mais de duas produções semanais, tudo porque ela trabalhava em Benguela e os seus parceiros em Luanda. Entretanto, a frequência será alterada, uma vez que a humorista foi transferida para a capital do país.

Com audiência além-fronteiras

Fruto desta parceria que já dura quase um ano, os jovens dizem que aos poucos têm saído do anonimato, uma vez que começam a surgir os primeiros sinais da aceitação do público. Algumas vezes são reconhecidos na rua e, tal como acontece com as celebridades, são acarinhados com abraços, beijinhos e incentivo dos fãs. Manifestações de carinho têm recebido também além-fronteiras, nomeadamente do Canadá, Inglaterra, Itália, França e Portugal, por via de mensagens de alguns seguidores. “Alguns dos internautas afirmam que não entendem a língua falada nos vídeos [português], mas que a expressão facial e corporal fazem-nos rir”, esclareceu. Acrescentando que isto, de certa forma, deixa os humoristas tristes, por saber que a mensagem poderia ter um impacto diferente se os internautas a percebessem. Deste modo, com vista a ganhar mais seguidores nas redes sociais e tornar o trabalho conhecido além-fronteiras, os jovens pretendem fazer cursos básicos de língua inglesa e francesa, de maneira a não ficaram limitados pelos “entraves linguísticos”.

Visualizações não rendem dinheiro, mas atraem publicidade

Ao contrário de outros países, sobretudo na Europa, Brasil e nos Estados Unidos da América, em que os youtubers ganham dinheiro consoante o número de visualizações, ou seja, o número de vezes em que o vídeo é visto, em Angola ainda se está longe desta realidade. Segundo a humorista Madó, as fontes de rendimento surgem em função dos anúncios publicados nas suas páginas. A título de exemplo, explicou que alguns empresários que acompanham o progresso do trio nas redes sociais os contratam para que deem vida às suas marcas. Contudo, não especificou se têm uma tabela de publicidade fixa. “Nós recebemos o produto, testamos, vemos se é de boa qualidade e depois fazemos a publicidade mediante o pagamento de uma taxa. Por exemplo, se for 300 mil Kwanzas dividimos por três”, detalhou, salientando que o valor pode ser alterado de acordo com o tempo em que será passado o anúncio. Há casos em que as publicidades são solicitadas para as páginas individuais, nestas circunstâncias não têm a obrigação de partilhar o dinheiro. De acordo com a humorista, os clientes têm ficado satisfeitos, uma vez que os seguidores das suas páginas procuram os produtos por terem visto a publicidade nos referidos canais.

Mais de 100 mil Kwanzas/mês para as despesas operacionais

Para manter os canais com conteúdos actualizados, o trio gasta mensalmente mais de 100 mil Kwanzas com os serviços de Internet e crédito para os telefones. Tal acontece devido à necessidade de estarem sempre ligados à Internet para não perderem propostas de trabalho e para manterem contacto permanente com os seus seguidores nas redes sociais. “Fazer a publicação de um vídeo nas redes sociais por vezes tornase muito cansativo, porque, dependendo do tempo de duração do vídeo, pode-se tornar longo e pode dar-se o caso de não ser partilhado”, justifi cou. Por outro lado, destacou ainda que frequentemente têm de recorrer a pessoas residentes no estrangeiro para fazerem a manutenção dos seus canais no Youtube, em Angola. Por esta razão, Madó aconselha a todos os youtubers angolanos, ou aqueles que pretendam abrir contas nesta plataforma, a não medirem esforços e “lutarem” pelos seus objectivos, tendo em conta que surgem muitas barreiras, mas que quando ultrapassadas os resultados são positivos. “Já chegamos a gravar com fome e a andar a pé longas distâncias para atender aos compromissos profissionais”, sublinhou.

Propostas de produtoras

Com vista a tornar o trabalho mais sério, os jovens estão a ponderar aceitar a proposta de uma das várias produtoras angolanas que pretendem agenciá-los, de forma que possam progredir na carreira dia após dia. Uma vez que, para eles, não poderão brilhar sem alguém que os oriente. Os humoristas consideram que a maior conquista que tiveram até ao momento foi o convite para participarem no programa televisivo “Cubico dos Tuneza”. De realçar tal proeza foi possível pela solicitação do próprio público. Segundo eles, os telespectadores enviaram mensagens à produção do programa e aos protagonistas do grupo a pedir que fizessem uma cena com a participação da dupla que integra o “Casal do Ano”. “Infelizmente, no dia do programa a Madó estava ausente de Luanda e não conseguimos apresentar o trabalho como dupla, ainda assim, tudo correu bem”, disse Zico.

O que é o Youtube?

O Youtube é uma plataforma de vídeos que tem mais de 1 bilhão de usuários espalhados em diversos pontos do globo terreste, criado por três ex-funcionários do PayPal, nomeadamente Chad Hurley, Steve Chen e Jawed Karim, em Fevereiro de 2005. Muitos dos usuários abrem um canal nesta plataforma por necessidade ou oportunidade, mas, independente da motivação, todos os que se tornam automaticamente um Youtuber, com oportunidade de ganharem dinheiro. O termo vem do inglês “you” que signifi ca “você” e “tube” que signifi ca “tubo” ou “canal”, mas é usado na gíria para designar “televisão”. Portanto, o signifi cado do termo “youtube” poderia ser “você transmite” ou “canal feito por si”.

Como se ganha dinheiro no Youtube?

Para transformar o Youtube numa fonte de rendimento é necessário serem observadas algumas medidas:

1-Criar uma conta no Youtube; 2– Criar um canal ( com tema à sua escolha); 3-increver-se no Google Adsense; 4-inscrever-se no programa parceiros do Youtube

A par destas devem ainda: Analisar o conteúdo do canal (boa qualidade de imagem) ; Divulgar o canal; Angariar subscritores e maior número de subscritores e atrair publicidade

Por trás das câmeras

O Youtube abriu-me as portas

Wilson Tavares é cantor e produtor de vídeo, mas é na dança que realmente “se revê”. Já teve passagem pelos palcos do teatro e considera que tem uma veia humorística que usa para gravar os seus vídeos de dança no seu canal do Youtube. Ao narrar a sua trajectória como Youtuber, fez saber que o seu primeiro vídeo não foi gravado e publicado por si, mas sim pelo gerente do estabelecimento onde era funcionário.

De acordo com o dançarino, no término da jornada laboral, era por hábito colocarem música enquanto os funcionários arrumavam o recinto. Numa destas ocasiões, bailava sem saber que estava sendo filmado. O vídeo foi publicado minutos depois, e se tornou viral nas redes sociais. Foi assim que decidiu criar um canal no Youtube com o seu próprio nome e nas demais plataformas digitais para publicar conteúdos.

A inicitiva, segundo ele, tem permitido driblar as dificuldades que enfrentava para demonstrar o seu talento nas televisões do país. Fruto desta determinação e ousadia, actualmente tem recebido convites para participar em determinados eventos. O dançarino defende maior expansão das novas tecnólogias, sobretudo da Internet, para que mais pessoas possam ter acesso às plataformas digitais no país. Eclénia Mendes, Carolina Maxiova ,Evandro Borges, Txio Paulo e Ladilson Manuel são alguns dos angolanos que têm feito sucesso como youtubers no país.

Perguntaram se tinha problemas mentais

Longe das câmeras dos smartphones, Madalena Zacarias  é agente da Polícia Nacional. Mas ela já foi militar das FAA. Aos 18 anos foi andebolista e sonhava pisar as quadras internacionais, contudo, o sonho foi adiado. Nunca fez teatro, todavia, diz que é a fazer as pessoas felizes que, realmente, se sente realizada. De tanto exercitar os seus dotes humorísticos, sobretudo na escola, a direcção viu-se obrigada a solicitar a presença da sua mãe para questionar se Madó padecia de pertubações mentais, uma vez que as suas brincadeiras eram consideradas pelos demais como “anormais”.

“Naquele dia foi o fim para mim. Consoante o tempo foi passando, ingressei para a carreira militar e depois fui para a Polícia Nacional, sem, no entanto, esquecer o que eu gosto de fazer, humor”, disse. A sua jornada como Youtuber começou quando, de forma espontânea, decidiu gravar um vídeo em sua casa e o publicou na rede social Facebook. Julgou que não despertaria a atenção dos internautas e tentou apagar, mas sem sucesso. Horas depois, após ter despertado do sono, notou que a publicação que fizera não havia sido apagada e já tinha inúmeras vizualizações. Para seu espanto, ao sair de casa, notou algo que considerou estranho. As pessoas olhavam muito para si, ao ponto de chegar a pensar que tivesse feito algo muito grave, sem, no entanto, saber que era o reflexo do vídeo.

Foi nesta ocasião, que decidiu partilhar o vídeo também para o Youtube e nas demais redes sociais, submetendo-se à aprovação dos seguidores por via das visualizações e comentários e foi bem-sucedida. Daí não mais parou. A jovem diz inspirar-se nos assuntos de que muitas pessoas não têm coragem de falar. Como, por exemplo, a relação entre sogras e noras, que considera que muita vezes é baseada em falsidade. “Tem muitas sogras que quando recebem as noras em casa transformam-nas em empregadas. E eu, através do humor, já abordei este assunto”, explicou. Por outro lado, as lembranças que tem do tempo em que sua mãe vendia fardo num dos mercados de Luanda também já serviram de conteúdos para os vídeos.

Do relvado aos palcos do teatro

Samuel Mavolo  está entre as pessoas que cresceram no bairro do Rangel e sonhavam ser jogadores de futebol. Chegou a fazer testes para ingresso na carreira de futebolista nos clubes Petro e Interclube, mas “caí nas malhas” da arte de representar. Hoje, além desta actividade, trabalha como apresentador na T.V Palanca. Desde muito cedo que os seus colegas diziam que tinha jeito para encenar, porque sempre mostrou os seus humoristicos.

Abraçando tais conselhos, decidiu entrar no grupo teatral SCG, no bairro popular, cujos ensaios eram realizados na igreja do Sagrado Coração de Jesus, por trás da Feira Popular. Lá começou a desenvolver as suas habilidades em representação, tornando-se num actor versátil. “O personagem poderia ser muito sério, todavia, eu conseguia dar um toque de humor. Foi o encenador que me aconselhou a seguir o humor”, detalhou. Samuel Mavolo salienta que inicialmente não foi fácil, uma vez que estava habituado a representar em grupo, e quando abraçou o “humor” teria de passar a fazê-lo sozinho.

Deste modo, optou por seguir este novo desafio em dupla, salientando que não foi fácil a primeira vez que encarou o público. Explorando as redes sociais, nomeadamente o Facebook e o Youtube, criou o canal Zico Model e começou a gravar vídeos. Servindo-se das estórias que a sua mãe lhe contava, na altura que ela vendia peixefrito, no antigo mercado do Roque Santeiro. Nas lembranças da sua infância, bem como a dinámica social, nomeadamente na esfera política e fi nanceira, tem encontrado conteúdo actualizado para o seu canal. “Depois da publicação do primeiro vídeo, o retorno que tive do público superou as expectativas. Recebi telefonemas de fãs além-fronteiras, Canadá, Inglaterra, Itália, França, Portugal”, detalhou, entusiasmado.

 

leave a reply