Lisboa vai ter 500 casas para a classe média

Vão surgir na Alta de Lisboa, perto do Lumiar, e os preços começam nos €2700 por metro quadrado. © FOTO D.R. São 10 edifícios, a construir junto ao lago e não muito longe do Eixo Norte/Sul (visível na parte de baixo da imagem)

Quando se ouve um promotor imobiliário dizer que vai construir para a classe média surge de imediato uma dúvida: o que é que define a classe média em Portugal? De acordo com os números oficiais mais recentes do Ministério do Trabalho, os portugueses têm, em média, um rendimento bruto de €1100/€1200 mensais por pessoa. Gonçalo Cadete, um dos quatro sócios da promotora imobiliária Solyd, garante que a maior parte das 500 casas que se propõe construir na Alta de Lisboa (Lumiar), terão um preço de base da ordem dos €2700 euros por metro quadrado — ou seja, podemos estar a falar de um apartamento do tipo T2 a custar €270 mil.

Ora, admitindo que um casal da classe média pode auferir um rendimento líquido de €2000 mensais, para comprar ali uma casa, do tipo T2, num empréstimo a 30 anos com spread de 1,5 pontos, ficaria com um encargo da ordem dos €900 mensais. Mas isso é agora que as taxas Euribor (que servem de referência ao crédito à habitação) estão negativas, cenário que se pode alterar nos próximos anos. Se, por exemplo, as taxas Euribor voltarem aos 2%, a prestação poderá subir para €1212 mensais. Claro que um rendimento líquido de um casal na ordem dos €2000/mês pode garantir um empréstimo para uma casa nova na Alta de Lisboa, mas não sobra muito dinheiro para o resto: alimentação, vestuário, telecomunicações, transportes e, se a família tiver filhos, tudo pode ser ainda mais dispendioso. Ainda assim, os responsáveis da Solyd estão confiantes e consideram que dispõem de excelentes argumentos para vender casas, além do preço, que consideram competitivo.

“Temos duas estações de metropolitano por perto, várias escolas públicas e privadas, comércio, espaços verdes, acessos diretos ao Eixo Norte/Sul e, em breve, até uma esquadra da PSP será construída perto do local”, enfatiza Gonçalo Cadete. O que os gestores daquela promotora imobiliária não destacam é o facto de ainda existir — mesmo ao lado da urbanização de 10 edifícios que se propõem construir —, o Bairro da Cruz Vermelha que apresenta um tipo de urbanismo que destoa completamente das novas construções e acolhe famílias carenciadas, muitas delas vindas directamente das barracas do antigo bairro da Musgueira. “É, sem dúvida um bairro problemático, com intervenções frequentes da polícia para resolver distúrbios, em especial à noite”, nota um dos moradores da zona contactado pelo Expresso. Mas Gonçalo Cadete, da Solyd, garante que aquele bairro vai ser demolido pela SGAL — Sociedade Gestora da Alta de Lisboa, e que as pessoas que ali residem serão realojadas noutro sítio mais a norte, a cerca de um quilómetro de distância, onde a Câmara Municipal de Lisboa irá construir novas casas para as acolher.

A Solyd estima investir na Alta de Lisboa €200 milhões de euros, ao longo dos próximos anos, para edificar cerca de 500 apartamentos, num total de 120 mil metros quadrados de construção. Uma grande parte do financiamento do projecto será assegurado por capitais próprios e outra parte com recurso a crédito bancário. “Só uma pequena fatia será garantida com o resultado das vendas das primeiras casas a serem construídas e colocadas no mercado”, nota o gestor. As obras terão início no próximo mês de Março e as primeiras casas estarão prontas daqui a dois anos. As tipologias disponibilizadas irão variar entre os apartamentos T1 e T5, sendo que estes, a preços atuais, poderão custar um pouco mais de €500 mil. Gonçalo Cadete está confiante na resposta do mercado, mesmo sabendo que agora se vive um dos momentos mais dinâmicos de sempre e que, a médio prazo, o cenário poderá mudar. Mas, conclui, “dentro da cidade de Lisboa não se encontram casas novas a estes preços”.

error: Content is protected !!