Brasil condena confrontos na fronteira e chama Maduro de “ditador”

O brasil condenou neste Domingo os confrontos registados no Sábado nas fronteiras terrestres da Venezuela e chamou o presidente do país vizinho, Nicolás Maduro, de “ditador” num comunicado do ministério das relações Exteriores

“O governo do Brasil expressa a sua condenação mais veemente aos actos de violência perpetrados pelo regime ilegítimo do ditador Nicolás Maduro, no dia 23 de Fevereiro, nas fronteiras da Venezuela com o Brasil e com a Colômbia, que causaram várias vítimas fatais e dezenas de feridos”, afirma a nota oficial. No Sábado, uma operação internacional de entrega de remédios e alimentos nas fronteiras foi estimulada pelo líder opositor Juan Guaidó, reconhecido como presidente encarregado da Venezuela por 50 países, incluindo o Brasil. Militares venezuelanos, seguindo ordens de Maduro, impediram a entrada da ajuda o que provocou os confrontos.

O Itamaraty também fez um apelo à comunidade internacional para que reconheça Guaidó. “O Brasil apela à comunidade internacional, sobretudo aos países que ainda não reconheceram o Presidente encarregado Juan Guaidó, a juntarem-se ao esforço de libertação da Venezuela, reconhecendo o governo legítimo de Guaidó e exigindo que cesse a violência das forças do regime contra a sua própria população”. No Sábado, as fronteiras da Venezuela foram cenário de enfrentamentos. No lado brasileiro, dois camiões com oito toneladas de doações permaneceram estacionados na linha limítrofe ao longo do dia.

No fim da tarde, os camiões, que não seguiram em direcção à Venezuela, retornaram ao Brasil. Jovens atiraram pedras e coquetéis molotov contra os militares venezuelanos que protegiam o local. Depois de terem ateado fogo a dois veículos estacionados no local, os militares responderam-lhes com gás lacrimogéneo para dispersar a multidão. Na cidade venezuelana de Santa Elena de Uairén, a 20 km da fronteira, foram registados confrontos violentos que deixaram pelo menos dois mortos, de acordo com a ONG venezuelana Foro Penal. Duas ambulâncias, com cinco feridos durante os incidentes entraram durante a tarde no Brasil.

leave a reply