União Recreativo Kilamba ‘bisa’ pódio e grupos concorrentes opõem-se

Enquanto na classe A o grande vencedor passa somar duas vitórias (União Recreativo do Kilamba), na classe B o título recaiu para o grupo União 17 de Setembro, enquanto na classe Infantil o prémio maior coube aos Cassules Viveiros do Nzinga Mbande, de Viana

POR: Adjelson Coimbra

Foram ontem divulgados os vencedores da 41ª edição do Entrudo luandense pelos presidentes das três diferentes categorias, em cerimónia que decorreu na LAASP (Liga Angolana de Amizade e Solidariedade dos Povos), em Luanda. O júri, para evitar rumores, fez a contagem dos votos sob o olhar atento da Associação Provincial do Carnaval (APROCAL), da imprensa e dos representantes de todos os grupos que desfilaram pelo tapete asfáltico de 400 metros da Nova Marginal. Entretanto, aquando da divulgação dos resultados, os demais grupos concorrentes, à medida que fossem ouvindo os resultados preliminares, iam desabando, chegando mesmo a proferir palavras obscenas contra a comissão organizadora.

Os problemas tiveram início quando, ao atribuírem-se as pontuações, alguns boletins de voto não apareciam, precisamente da agremiação Etu um Dietu, ao que se fizeram ouvir-se vozes dissonantes em alto e bom som. “Batoteiros! Gatunos! É assim que querem mudança? Isso tem de partir de vocês”, gritavam alguns dos participantes de diversos grupos, dirigindo, igualmente, para a comissão organizadora pesadas e até mesmo obscenas palavras. À medida que se iam ditando os resultados, os presentes na actividade, nalgumas vezes adivinhavam os resultados que só engrandeciam a vitória do União Recreativo Kilamba, com semblantes indicando aborrecimento nos rostos.

A comandante do grupo União Kiela, Maravilha Dias dos Santos, chamou a atenção da imprensa, no decorrer da actividade, com lágrimas nos olhos e discursos de que a continuar assim: “então no próximo ano chamem só o Recreativo Kilamba para desfilar, ao menos lhes dão directamente o prémio”, lamentou em tom sarcástico. “Deve-se mudar o modo de divulgação dos resultados”, defende o comandante vencedor, Poly Rocha Acreditando que todo e qualquer concorrente ao colocar-se disponível para enfrentar uma competição almeja, claramente, pelo primeiro lugar. Entretanto, Poly Rocha, comandante do grupo Recreativo Kilamba, que vence pela segunda vez consecutiva, afirmou, na ocasião, que o seu grupo fora merecedor do título.

“E nós, verdade seja dita, dada a nossa organização, nossa força e nossa perseverança, viemos defender o título com garras. Obviamente que o júri escolheu o melhor e nós fomos os melhores. Há que aceitar-se a decisão soberana do júri. Por outro lado, sobre a contagem dos votos, Poly Rocha, defende a necessidade de mudar-se a forma de como são anunciadas as pontuações. “Deve-se procurar mecanismos informáticos, no sentido de procurarem- se mecanismos que façam com que as pessoas olhem para a pontuação, a fim de evitar essas situações e dissabores que de certa forma vêm a pôr triste quem realmente esteja a competir”, finalizou.

Os vencedores

Assim, os grupos foram avaliados de maneira geral nas categorias de Falange de Apoio, Alegoria, Comandante, Painel, Corte, Dança e Canção, esta última também conquistada pelo grupo vencedor da classe A, com o tema “Angola e os seus ancestrais”, que faz um retrato do processo da escravatura do país, elucidando o público os ganhos obtidos com o alcance da Independência Nacional, composta pelo músico Don Caetano. E, como vencedores, na classe A o primeiro lugar coube ao União Recreativo Kilamba, do distrito urbano do Rangel, com um total de 912 pontos. Em segundo lugar ficou o União Mundo da Ilha com 846 pontos, e o terceiro coube a agremiação de Viana União Nzinga Mbande, com 834 pontos. . Os grupos União Kiela, União 10 de Dezembro, União Jovens da Cacimba, União 54 e União Kabocomeu ocuparam na tabela de classificação uma posição não inferior ao nono lugar, mantendo-se assim na classe A, na disputa do próximo Entrudo.

Classe B

Por seu turno, na classe B conquistou o primeiro lugar o União 17 de Setembro, somando um total de 827 pontos. Na segunda posição ficou o União Domant, com 707. E em terceiro lugar o União Café de Angola, com 664 pontos. Desse modo, os ocupantes das cinco primeiras posições da tabela de classificação da classe B, isto é, os três primeiros vencedores supracitados com o União Amazonas do Prenda, que saiu em quarto lugar, e o União Kazukutas do Sambizanga, em quinto, ascenderam a classe A. Sobre a classificação final infantil, em primeiro lugar ficaram os Cassules Viveiros Nzinga Mbande, com 747 pontos. Em segundo, os Cassules Jovens da Cacimba, com 25 pontos a menos em terceiro, com 721 pontos, ao passo que ao Cassules Sagrada Esperança calhou o terceiro lugar.

 

error: Content is protected !!