Museu de Ciência e História Natural do Lubango valoriza etapas históricas

A ideia surgiu a partir de colecções científicas do ISCED, a segunda maior de África, que mereceu uma “casa” condigna e do património tecnológico do CFM

O Presidente do Conselho de Administração do Caminho- de-ferro de Moçâmedes, Daniel Quipaxe, afirmou na cidade do Cristo Rei, que a criação do Museu de Ciência e História Natural do Lubango permitirá a divulgação e a valorização das etapas históricas do processo civilizacional da região. Daniel Quipaxe, que falava à imprensa, à margem da visita do Presidente Português, Marcelo Rebelo de Sousa, à província da Huíla, salientou que a referida instituição, permitirá igualmente a apropriação científica do acervo e consequente o desenvolvimento de um Polo de Investigação Tecnológica.

O projecto, uma ideia tripartida entre o Instituto Superior de Ciências da Educação de Luanda (ISCED), o Caminhos de Ferro de Moçâmedes (CFM) e o Governo Provincial da Huíla, surgiu a partir de colecções científicas do ISCED, a segunda maior de África, que mereceu uma “casa” condigna e do património tecnológico do CFM. O responsável sublinhou representa um ganho não só para o caminho-de-ferro, mas para toda sociedade, com realce para a cidade do Lubango, pois as vantagens da recuperação vão fomentar ainda mais a investigação tecnológica museológica.

Marcelo Rebelo de Sousa enaltece iniciativa

Na ocasião, o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, referiu que as colecções existentes no herbário do Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED) da província da Huíla, vão facilitar o trabalho de investigação científica dos estudantes portugueses em Angola. O Estadista português, que presenciou a apresentação de colecções de 45 mil espécimes e 670 espécies diferentes com um herbário de 16 mil plantas registadas do ISCED, defendeu a necessidade de se continuar a fortalecer a cooperação no sector académico e técnico-profissional, por permitir o desenvolvimento a todos níveis da investigação nos dois países.

Realçou, que o principal objectivo com Angola, além de fortificar os laços de cooperação no ramo económico e social, é também fortalecer o reforço no domínio da formação de quadros angolanos em Portugal e viceversa, em licenciatura, mestrado e doutoramento, rumo ao um desenvolvimento saudável que se pretende, disse. Refira-se que a antiga Estação dos Caminhos de Ferro de Moçâmedes, inaugurada em 1923 encontra-se desativada, devidas a várias intervenções, visando a sua modernização.