Camionistas em formação para redução da sinistralidade rodoviária

A iniciativa vai permitir que os homens do volante tenham maior responsabilidade e consciência da vida humana e das mercadorias que carregam de um lado para o outro, por todo o país

Mais de 100 camionistas estão a ser formados em matéria de prevenção rodoviária, de forma a reduzir os elevados níveis de sinistralidade nos principais troços interprovinciais. A iniciativa, da empresa de transportação UNICARGAS, vai permitir que os homens do volante tenham maior responsabilidade e consciência da vida humana e das mercadorias que carregam de um lado para o outro, por todo o país, como assegurou o director de exploração daquela empresa pública do ministério dos Transportes, Benjamim Manuel. Segundo o responsável, grande número de acidentes que a empresa registou estiveram relacionados com a falta de conhecimento e de actualização constante dos camionistas.

Muitos destes, conforme explicou, estão há mais de vinte anos que não actualizam o seu conhecimento sobre educação rodoviária. Porém, por causa disso, muitos camionistas envolveram-se em acidentes e causaram enormes prejuízos humanos e materiais. Actualmente, com a mudança dos sinais de trânsito, com o aparecimento de novas regras e actualização dos regulamentos do códigos da estrada a nível da região da SADC, Benjamim Manuel disse que há necessidade de se incutir nos camionistas novos conhecimentos que, posteriormente, se irão reflectir na melhoria da circulação rodoviária e na defesa da vida de todos aqueles que diariamente “rasgam” as estradas do país. De acordo ainda com Benjamim Manuel, o programa de formação, com a duração de dois meses, vai ser repartido em douas fases. Na primeira fase serão formados 50 profissionais e os restantes serão igualmente capacitados na fase seguinte.

“A formação desses condutores possibilitará a redução dos custos que temos vindo a registrar por causa dos acidentes. Esse processo deverá ser contínuo. A nossa maior preocupação é garantir que os condutores continuem a transportar cargas sem a necessidade de colocarem a própria vida ou a vida de terceiros em riscos”, atestou. Por seu lado, Espírito Santos Alberto, camionista, disse que o processo de formação a que está a ser submetido irá possibilitar- lhe ganhar maior responsabilidade e respeito pela actividade que desempenha. O condutor, com mais de vinte anos de estrada, reconheceu ter entrado para a via sem conhecimento das normas de trânsito, pelo que, doravante, resultado da formação, terá mais conhecimento dos regulamentos. “Assim como eu, muitos, no princípio, pegaram ao volante sem nenhum conhecimento. E isso é perigoso. Agora, com a formação, pensamos que vamos poder desenvolver melhor a nossa actividade, respeitando todos os intervenientes na via”, atestou.