Mais de seis mil professores reforçam técnicas motivacionais na sala de aulas

A efectivação dessas valências terá início no mês de Abril, quando, no âmbito da segunda fase do projecto de Capacitação para Professores Primários (CAPPRI), a formação contemplar seis mil e 600 docentes na província de Benguela, com o objectivo de prepará- los para as componentes lúdica, fáceis e apelativas

De acordo com a coordenadora do CAPPRI, Margarida Guerra, a equipa de formadores é constituída por pedagogos, psicólogos e assistentes sociais. Nesta segunda fase, a província de Benguela será a segunda a beneficiar deste programa, depois de Luanda, onde serão formados um total de seis mil e 600 docentes. Quanto aos professores beneficiados, disse que numa primeira fase o projecto foi concebido apenas para os professores primários das escolas públicas, mas as instituições privadas também solicitaram a formação, pelo que, no final da primeira fase abriram-se algumas vagas.

O projecto foi desenhado para formar 50% dos professores do ensino primário do país. As províncias de Luanda e Benguela são as primeiras beneficiárias porque são as que têm maior número de profissionais deste nível. As actividades implementadas no CAPPRI baseiam-se essencialmente em acções lúdicas e o programa está a potenciar os professores com estas metodologias, de modo a quebrar a rotina e trabalhar com os docentes usando recursos de ensino que permitam ao aluno aprender em pouco tempo, de forma fácil e apelativa. Margarida Guerra explicou que o programa está na segunda fase, considerando que a primeira foi aberta em Julho de 2018 e a formação para os professores começou em Outubro do mesmo ano e terminou em Janeiro do ano em curso.

Foram então capacitados quatro mil docentes a nível da província de Luanda. Por agora, nesta segunda fase, na capital do país as equipas do projecto vão acompanhar nos municípios, com excepção do Icolo Bengo e Quiçama, os professores nas salas de aulas, de modo a constatar se estão a ser implementadas as metodologias que aprenderam no CAPPRI, ou não. Segundo Gola António, portavoz do Ministério da Educação para o projecto CAPPRI, a iniciativa é nova para a sua instituição, não na perspectiva de que os professores não a receberam ao longo da sua formação académica, mas porque não é comum usar nas salas de aulas tais metodologias. Gola António considera que é uma mais-valia não só para os profissionais do ensino primário, mas também para os alunos e para o Ministério da Educação.

Tendo em conta as constatações na província de Luanda, os professores aplicam com satisfação as metodologias, e os alunos de igual modo. Outra vantagem deste projecto é motivar o professor a agir de modo a que os alunos estejam entusiasmados por aprender e tenham vontade de estar na escola. “O método é aplicado em todas as disciplinas, mesmo na de Educação Física. A ideia é as crianças aprenderem a brincar como exercitar o seu corpo”, frisou Gola António. Ao longo do ano podem ser formados docentes de duas regiões. Os que não foram contemplados na primeira fase poderão sê-lo nesta a altura. Basta dirigirem-se a uma escola do ensino primário do seu município, o director da instituição saberá informar onde estão localizadas as equipas do CAPPRI. “Ainda este ano vamos formar mais de três mil professores na província de Luanda”, avançou, Gola António.

Diferença entre o PAT e o CA PPRI

O Projecto de Aprendizagem Para Todos (PAT) privilegia a interacção entre os professores primários através das Zonas de Influência Pedagógica (ZIP). Neste meio, os professores interagem e fazem uma reflexão conjunta com o objectivo de identificar as suas necessidades de formação. O seu objectivo geral é de consolidar e expandir as ZIP. Já o CAPPRI, visa melhorar o desempenho de cada professor primário, a qualidade e a metodologia do seu trabalho na sala de aulas, que, por sua vez, vai estimular o aluno a desenvolver melhor as suas capacidades, habilidades e valores, tornando assim o professor num modelo a seguir.

O CAPPRI vai ainda motivar os professores por intermédio da metodologia “Ensinar a Ensinar” com o apoio do guia pedagógico, complementando as suas necessidades de formação através da capacitação prática das actividades propostas no guia pedagógico. O seu objectivo geral é capacitar e motivar os professores primários para a acção dentro e fora das salas de aulas. A formação baseia-se em três áreas essenciais, designadamente leitura e escrita, matemática e desporto, arte e cultura, sendo que na província de Luanda serão formados mais de sete mil professores do ensino primário. Até 2023, o Ministério da Educação prevê capacitar 49.854 professores em todo o país. Com a execução do projecto, o sector do ensino vai reduzir a taxa de abandono escolar, melhorar a integração de alunos do ensino especial, o desempenho dos professores, a metodologia de ensino, bem como dotar os alunos com mais apetência para a aprendizagem.