Destacada dimensão histórica da Batalha do Cuito Cuanavale

As primeiras comemorações, este mês, do 23 de Março, como Dia da Libertação da África Austral, foi destacada esta semana, em Menongue, como um marco histórico para os heróis da Batalha do Cuito Cuanavale, ocorrida de 1987 a 1988

Este reconhecimento foi manifestado por um dos antigos participantes na referida batalha, Pedro Camelo, quando dirigia uma palestra subordinada ao tema “ 23 de Março”, decorrida no anfiteatro do Instituto Superior Politécnico Privado de Menongue, onde participaram vários representes da sociedade civil. Sublinhou que este aniversário representa um marco histórico, se tivermos em conta que, desta vez, o feriado abrange os países da África Austral, tudo em reconhecimento e homenagem a todos quantos participaram na célebre Batalha do Cuito Cuanavale. “O 23 de Março marcou uma nova era no continente africano.

Este ano a data não marca só a efeméride da província do Cuando-Cubango, especialmente para o município do Cuito-Cuanavale, mas sim feriado nacional e da libertação da África Austral”, realçou. Referiu que a data, por ter uma grande importância para os países da África Austral, na 30ª cimeira da SADC, de 17 a 18 Agosto de 2018, na Namíbia, os Chefes de Governo da referida comunidade decidiram, por unanimidade, que a mesma seja, doravante, Dia da Libertação da África Austral. Fez ainda menção que a Assembleia Nacional, na sua 3ª reunião plenária extraordinária da 1ª sessão legislativa, aprovou no dia 27 de Agosto de 2018, a Lei de Alteração dos Feriados locais, e foi aprovado o 23 de Março Dia de Libertação da África Austral e feriado nacional, em Angola.

Recordou que a Batalha do Cuito- Cuanavale, que envolveu, na parte do governo, as FAPLA e as forças cubanas, e na parte oposta a UNITA auxiliada pelas então forças sul-africanas do regime do Apartheid, contribuiu na libertação de alguns países da África Austral, com destaque para a Namíbia e a abolição do regime racista. Afi rmou que a Batalha do 23 de Março não está só na vertente de guerra ou de homens que lutaram pela Independência da Namí-bia, mas sobretudo olhando na sua história, como marco incontornável da história angolana, da África e do Mundo. Pedro Camelo foi militar da 6ª Região Militar no Cuando-Cubango, é vice-governador para a área Política e Social. Coronel na reserva, participou na Batalha do Cuito Cuanavale e actualmente é chefe do departamento dos Assuntos Económicos e Sociais e Autarquias Locais, no comité provincial do MPLA.