João Melo e o futuro

O ministro da Comunicação Social, João Melo, gosta de dizer que com o universo da sua área de tutela mudou com o novo Governo, de João Lourenço. Não gosto de autoelogios de políticos, mas também devo ser justo reconhecendo que pelo menos institucionalmente o ministério está mais empenhado no debate com os profissionais e com a comunidade. Mas tem de exercer muito mais pedagogia entre os seu.colegas de Governo. Ontem, além dos habituais assuntos relacionados com a qualidade jornalística, a interferência de quem manda nas opções editoriais e com as fontes políticas, abordou-se ainda o novo mundo da comunicação, em que a própria comunicação social está perdida. Ora, a Internet é o grande papão. Degrada a situação das empresas de comunicação, degrada a democracia, degrada o conhecimento público partilhado. Pois bem, a Internet é a grande oportunidade de os órgãos de comunicação social chegarem, finalmente, a um público mais vasto, de forma mais democrática. Nunca os jornais tiveram um número de potenciais leitores tão grande. Mas primeiro terão de adaptar o negócio a este novo mundo, em termos de gestão e também editoriais. Podem fazê-lo sozinhos? Não. As democracias devem apoiá-los, incluindo o poder político, também ele a primeira potencial vítima de um jornalismo tão abrangente e rápido.