“Escassez de recursos financeiros” não inviabilizou produção literária na UEA

O manifesto vem expresso no último relatório de contas referente aos anos 2016, 2017 e 2018, do exercício dos corpos sociais cessantes da união dos Escritores Angolanos (uEA), que será dado a conhecer aos membros durante a Assembleia-geral ordinária da instituição

O acto (Assembleia. geral) acontece no dia 30 de Março, pelas 10 horas, no auditório da UEA, em que serão discutidos pontos como a Apreciação e Aprovação do Relatório de Gestão e Contas, Apreciação e Aprovação do Processo Eleitoral de Renovação de mandatos e eleição do Presidente da Comissão Eleitoral. De acordo com o documento a que OPAÍS teve acesso, apesar do ambiente económico conforme previsto e descrito no relatório do mandato anterior, a situação financeira e de apoios quer do Estado via Ministério da Cultura, quer de instituições, decaíram significativamente.

Apesar da situação, em que se insere a suspensão do patrocínio literário da Sonangol, instituição que assumia todas as despesas em relação aos dois prémios interno e externo, que afectou negativamente a actividade editorial da UEA, foi possível a edição de vários livros. Entre eles, destacam-se o livro de poesia do escritor Lopito Feijó, a obra em homenagem ao escritor Garcia Marques, coordenada pelo escritor Luís Fernando, livros de literatura infantil das escritoras Maria Eugénia Neto, Cremilda de Lima e Celestina Fernandes, bem como um da autoria do escritor Dario de Melo e os seis livros dos vencedores do concurso literário “Quem Me Dera Ser Onda” e mais três que estão a ser editados.

O mesmo documento aponta que a União dos Escritores Angolanos contou com algumas parcerias de edição, como foi o caso das co-edições com a Editora Letras e Texto Editores em que se produziram vários títulos, como a 2ª edição do livro “Pássaros de Asas Abertas” da autoria do escritor António Quino e Margarida Gil dos Reis. Uma obra antológica em que se encontram assuntos significativos da diversidade temática da literatura angolana: o imaginário mítico e a reelaboração do fantástico, o permanente diálogo entre as estórias e a História; a cidade, o espaço de tessituras na própria sociedade; a memória individual e colectiva; os laços de família, a mulher ou o ímpar apego telúrico e muitos outros.

Tradução de Obras

O documento que temos vindo a citar, Sobre a tradução de Obras, destaca a que está a ser traduzida do francês para o português do escritor Kamanda Kama, congolês residente em França, com o patrocínio da Fundaçaõ Sol, além de participar em eventos internacionais. Nesse quesito, a UEA esteve presente em Frankfurt cidade alemã, representada pelo escritor Gociante Patissa. Está em preparação a 1ª edição brasileira da obra “Balada dos Homens que Sonham” da autoria do escritor António Quino. A UEA esteve presente na Cátedra Agostinho Neto, na Universidade Tre de Itália, criada por iniciativa da UEA/Fundação Agostinho Neto para a promoção da literatura angolana. Houve a participação dos escritores angolanos no dia 11 de Novembro de 2017 no evento, “Conacry Capital Universal do Livro – Guiné conacry”, designadamente escritores Pombal Maria e Marta Santos.

Outras actividades

Realizaram-se diversas actividades, no campo Literatura Mundo em Português, e ainda actividades culturais ligadas ao projecto semanal designado “Makas à Quarta-feira”, uma das quais realizada fora do território nacional.

Eleições

Entretanto, a nova direcção da União dos Escritores Angolanos, para o triénio 2019, 2020 e 2021, deverá ser conhecida no mês de Abril, depois de aprovado o relatório de contas pela direcção cessante, encabeçada pelo escritor Carmo Neto. Quanto aos potenciais candidatos, este jornal sabe que deverão concorrer os escritores Cristóvão Neto, David Capelenguela e Yola Castro. A UEA conta com 128 membros vivos e 37 falecidos. A quota é de seis mil Kwanzas anuais. Quem não obedecer a esse quesito perde o direito de voto e de ser votado.

error: Content is protected !!