Octaviano Correia: “Para fazer livros não são necessários milhões, não são necessários livros luxuosos”

Octaviano Correia: “Para fazer livros não são necessários milhões, não são necessários livros luxuosos”

Que avaliação faz da literatura infantil neste período de crise financeira que o país vive?

A única resposta a esse item é que a “crise” tem costas largas, como, em tempos já teve a guerra. Para fazer livros não são necessários milhões, não são necessários livros luxuosos, não se necessita de recorrer ao estrangeiro para a sua edição. Angola tem capacidade para produzir livros baratos, para produzir suplementos para crianças nos jornais, levar a cabo na televisão e nas Rádios, sessões de leitura, horas de conto, divulgação dos autores angolanos.

Como é divulgado este género literário?

A divulgação do livro para crianças praticamente não existe. Com excepção de uma ou outra apresentação pública, raramente com cobertura dos órgãos de informação, os livros acabam por ficar ou com os autores, ou nos escaparates dos supermercados como se de livros a metro se tratasse já que nas poucas ou quase nenhumas livrarias não se expõem e muito menos se incentiva os compradores para esse tipo de Literatura. Infelizmente as escolas, com raríssimas excepções, comemoram o Dia do Livro Infantil ou levam a cabo encontros com os escritores, os poucos que ainda escrevem tal género literário, com a realização de pequenas feiras do livro com a presença de autores a falar dos seus livros ou da literatura infantil em geral, com sessões de autógrafos. O Ministério de Educação não realiza, à excepção do que já foi o Livro do Jardim Infantil, agora Feira do Livro, uma vez por ano, actividades tendentes a divulgar os livros para crianças, a sua venda e consequente incentivo aos autores. Nas escolas não se fala, não se dá, não se lê autores angolanos para crianças.de pequenas feiras do livro com a presença de autores a falar dos seus livros ou da literatura infantil em geral, com sessões de autógrafos. O Ministério de Educação não realiza, à excepção do que já foi o Livro do Jardim Infantil, agora Feira do Livro, uma vez por ano, actividades tendentes a divulgar os livros para crianças, a sua venda e consequente incentivo aos autores. Nas escolas não se fala, não se dá, não se lê autores angolanos para crianças.

Qual é a sua percepção sobre o Plano Nacional de Leitura e da Rede de Bibliotecas Escolares no país?

O Plano Nacional de Leitura simplesmente não existe. Não se enviam listas dos livros para as escolas, não se consultam os escritores, não se seleccionam as melhores obras de autores angolanos para crianças. Quanto às bibliotecas, as poucas que existem, por norma não programam actividades, não têm, como responsáveis, quadros capazes de responder às necessidades dos leitores que as frequentam, não abrem após o fim do horário escolar.

De que forma e em que medida poder-se-á contribuir eficazmente para a formação de formadores de leitores, mediadores e futuros leitores?

Incentive-se a leitura nas escolas, realizem-se encontros com autores, abram as bibliotecas após o período escolar, realizem actividades do tipo pequenas peças de teatro baseadas em contos infantis, desenhos com base nos contos, promova-se a leitura de textos, nos tempos livres das crianças,

A actual produção literária infantil no país satisfaz?

A produção literária para crianças enferma de várias causas: falta de editores com capacidade ou de vontade, para responder à confecção dos originais (poucos, por sinal) que se lhes apresentam. Preços proibitivos para a impressão e demora nas respostas para a execução e depois atrasos na própria execução das obras, pouca qualidade dos originais, seja nos conteúdos seja nos erros gramaticais e nas chamadas “gralhas” por falta de uma revisão cuidada e a falta de divulgação das obras.

O escritor

Octaviano Correia nasceu no Lubango em 1940, onde fez os estudos liceais. Iniciou-se nas lides literárias colaborando em páginas literárias de vários jornais angolanos e como realizador do programa para crianças, “Parque Infantil”, do Rádio Clube da Huíla para o qual produziu contos e teatro radiofónico (1967/1973). É membro fundador da União dos Escritores Angolanos (1975), do IBBY- Organismo Internacional para a Literatura Infanto-Juvenil, com sede na Dinamarca (1982) e membro fundador da Associação dos Escritores da Madeira (1989). Na União dos Escritores Angolanos desempenhou as funções de Secretário para as Actividades Culturais e Redactor da revista literária “Gazeta Lavra & Oficina”. Foi Director Nacional do Instituto Nacional do Livro e do Disco de Angola (INALD)-1980/1981. Na Rádio Nacional de Angola (Luanda) realizou, durante 3 anos, o programa (diário) para crianças “Rádio Piô” e foi coordenador da programação infanto-juvenil ao nível nacional (16 emissoras regionais) e realizador do programa “Onda da Manhã”. De 1985 a 1988 foi redactor e cocoordenador da Revista “TVEJA” da Televisão Popular de Angola -TPA. Reside, desde 1988 na Madeira.

Obras publicadas

Fizeste Fogo à Viuvinha (Contos) – Cadernos Lavra & Oficina União Escritores Angolanos (UEA) – Angola Era Uma Vez Que Não Conto Outra Vez União dos Escritores Angolanos (UEA) O Esquilo da Cauda Fofinha e o Dendém Apetitoso – Plátano Editora, Lisboa; INALD-Angola. O País das Mil Cores – Sá da Costa, Lisboa; INALD-Angola Zemla Od Hiljadu Boja (Tradução em servo-croata de O País das Mil Cores) – Decje Novine, Liubliana,-Jugoslávia O Reino das Rosas Libertas – Sá da Costa, Lisboa; INALD-Angola O Patinho Que Não Sabia Nadar – INALD-Angola Amizade de Leão Não Se Faz Com Traição – INALD-Angola Gali o Pássaro de Fogo – TVeja- Angola Un Rey Sin Reino União dos Escritores e Artistas de Cuba (UNEAC) Luchila a Gotinha de Água (Colectânea de Autores Angolanos), União dos Escritores Angolanos- Angola O Monstro das Sete Cabeças e As Meninas Roubadas DRAC-Funchal -1989 Coisas Simplesmente – Editorial Correio da Madeira – Funchal Histórias Com Gente Dentro – Editorial Correio da Madeira Funchal O Menino dos Olhos Azuis de Água – Editora 7 Dias 6 Noites -Vila Nova de Gaia – 2008 ABCD Alguma Bicharada Até ao Z – Editora 7 Dias 6 Noites – Vila Nova de Gaia (2008) Efgh Alguma Bicharada Até Ao Z – editora 7 dias 6 Noites – Vila Nova de Gaia (2009) Ijkl Alguma Bicharada Até Ao Z – Editora 7 Dias 6 Noites – Vila Nova de Gaia (2010) Mnop Alguma Bicharada Até Ao Z – Editora 7 Dias 6 Noites Vila Nova de Gaia (2011) A Magia das Lendas – Lendas de Santana Editora 7 Dias 6 Noites (2011) Contos Quase Cruéis Editora 7 Dias 6 Noites (2011)