Angola poderá exportar a “disciplina” de Cabo-Verde para alavancar a economia, diz economista

Passados dois anos, a transportadora aérea TAAG retomará os vôos para CaboVerde, via São Tomé e Príncipe no dia 26 do mês em curso. Segundo o especialista Silvestre Francisco, Angola precisa de interagir com economias de outros países. No seu entender, Cabo Verde não é das melhores referências em termos económicos, mas tem muita disciplina

No dia 26 de Abril do ano em curso acontece o vôo inaugural de Luanda a Cabo Verde, às 11 horas e no dia 28 começam os vôos regulares com duas frequências semanais. Segundo o economista Silvestre Francisco, a retomada de vôos para Cabo Verde será uma mais-valia, no ponto de vista de receitas, pois vai permitir a entrada de mais investidores estrangeiros no país e alargar a base económica. Por outro lado, Angola precisa de interagir com economias de outros países.

No seu entender, Cabo Verde não é das melhores, mas tem muita disciplina, o que já é um bom sinal dado que a economia angolana está na fase de relançamento. Segundo ele, os indicadores macro- económicos apontam para uma economia crescente durante o presente ano entre 0,4% e 3,2% em 2020. No entanto, é importante inferir se estes indicadores apontam para o efeito desejado e darão abertura para novos projectos no quadro de uma economia sustentável. “É preciso abrir a mão para outras economias, no sentido de aprendermos modelos eficazes para os anos vindouros”, explica.

No que diz respeito às trocas comerciais, o economista acredita que Angola poderá identificar no país cabo-verdiano, alguns modelos positivos para alavancar a economia, tal como, a disciplina, modelos eficientes que o sector privado seja a prioridade para o crescimento económico. Em sua opinião, Cabo Verde irá tirar maior proveito das trocas comerciais, porque Angola tem muito para explorar, tais com agricultura, minérios e outros sectores. Por sua vez, segundo uma fonte da TAAG, com a entrada da nova rota Angola / Cabo Verde, o país atrairá mais investimento com o crescimento de passageiros da rota. A ligação aérea entre Angola e Cabo Verde foi suspensa em 2016 “para racionalizar custos”.

error: Content is protected !!