Palancas Negras reencontram Mali no grupo E do CAN 2019 no Egipto

A prova que vai decorrer na cidade do Cairo, Suez, Alexandria, Ismailia e Port Said de 19 de Junho a 21 de Julho próximos contará com o brilho das maiores estrelas do futebol africano, segundo o sorteio realizado ontem no palco da competição. Os Camarões, campeões em título, preparam-se para repetir a proeza num terreno difícil

A Selecção Nacional de futebol vai disputar o CAN 2019 que o Egipto acolhe de 19 de Junho a 21 de Julho próximos no grupo E, segundo o sorteio realizado ontem na cidade do Cairo. Os Palancas Negras vão medir forças com a Mauritânia, a Tunísia e o Mali, selecções com tradição na festa do futebol africano, aliás, em 2010, o Mali empatou a quatro bolas com Angola na abertura do Africano que Luanda, Benguela, Huíla e Cabinda acolheram.

Foi um desafio em que os pupilos do então técnico Manuel José venciam por quatro a zero na primeira parte, mas no reatamento os malianos fizeram a reviravolta. Kanote e Seidou Keita foram os homens do jogo. Para os adeptos angolanos será um reeditar do encontro, entretanto com um “sabor” diferente, porque os anos passaram e novos atletas estão na equipa angolana. A Tunísia é um adversário com argumentos técnicos e tácticos, pelo que já venceu Angola na final do CHAN que o Sudão realizou em 2011, na cidade de Cartum, antes de o país ter sido dividido. Nesse desafio, os angolanos perderam por três bolas a uma, numa partida em que os Palan-cas Negras tiveram poucos argumentos para darem a volta ao resultado, uma vez que do primeiro ao último minuto a formação do Magrebe foi superior.

A Mauritânia, um adversário que disputou a fase de grupos com Angola na série C, voltará a medir forças com os Palancas Negras na terra dos Faraós daqui a dois meses. Em Luanda, no Estádio 11 de Novembro, os pupilos de Srdjan Vasilevic venceram, mas no jogo de resposta em Nouakchott a formação angolana perdeu por uma bola a zero. Antes do jogo, os angolanos escalaram mais cedo o palco da competição, mas ficaram retidos por mais de sete horas no aeroporto da Mautiânia, facto que resultou num pedido de desculpas dias depois do embate por parte da federação daquele país. A Selecção Nacional, como já conhece os seus adversários, tem a obrigação de trabalhar para ter uma participação positiva, uma vez que a série conta com adversários experientes. Aliás, a Federação Angolana de Futebol (FAF) admitiu que tem condições administrativas para o início da preparação em Luanda e consequentemente além fronteiras. Para esta operação, o técnico Srdjan Vasilevic vai contar com atletas que actuam no Girabola Zap, Campeonato Nacional, bem como com aqueles que actuam nos clubes da Europa. Depois de duas ausências em 2015 e em 2017, os Palancas Negras regressam, agora na oitava vez, à maior festa do futebol africano sob orientação “presidencial” de Artur Almeida na FAF.

Angolanos presentes no sorteio

O presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF), Artur Almeida, fez-se presente ontem no sorteio que a cidade do Cairo, sede da Confederação Africana de Futebol (CAF) acolheu. Para além de Artur Almeida, o seleccionador nacional Srdjan Vasilevic e o vice-presidente para as selecções nacionais Adão Costa também estiveram presentes no certame. Por esta razão, o técnico manteve contacto com dirigentes desportivos das outras selecções. Ele será baptizado no palco dos Faraós daqui a dois meses frente aos grandes no seu grupo.

Yaya Toure elogia gala

O antigo craque da Cote d’Ivoire, Yaya Toure, elogiou a gala do sorteio na magna sala do Cairo, sendo que mostrou-se satisfeito por saber que a disputa do CAN será mais renhida com 24 selecções. O ex-atleta do Barcelona de Espanha referiu que o futebol é uma festa e que África tem tudo para brilhar num país como o Egipto, por ter uma cultura e civilização milenares. Yaya Toure foi comedido ao responder que não há vencedores antecipados, uma vez que as outras selecções estão atentas aos grandes e em campo estão a surpreender técnica e tacticamente.