Mais de 54 mil alunos com ano lectivo ameaçado no Cuene

Mais de 54 mil alunos, de 436 localidades do Cunene, correm o risco de perder o ano lectivo 2019, por causa da seca que assola esta província do Sul do país. Em causa está o processo de transumancia, que já fez encerrar nove escolas e deixou 267 outras quase sem alunos, de acordo com dados oficiais do Governo local.
Segundo o governador provincial, Vigílio Adriano Tyova, os municípios mais afectados pela transumância (deslocamento sazonal de gado para locais que oferecem melhores condições de pasto) são a Cahama (17 escolas e três mil e 31 alunos), Cuanhama (186 escolas e 39 mil e 573 alunos), Curoca (15 escolas e 266 alunos) e Cuvelai (4 escolas e 957 alunos), alem de Namacunde (54 escolas e 10 mil e 703 alunos).
A província matriculou em 2019 um total de 214 mil 311 alunos, sendo 168 mil 510 no ensino primário, 30 mil 587 no primeiro ciclo e 15 mil 214 do segundo ciclo.
O sistema é assegurado por seis mil e 298 professores, distribuídos em 868 escolas.
Dessas instituições de ensino, 792 são do ensino primário, 56 do primeiro ciclo e vinte do segundo ciclo, sendo que, por insuficiência de salas, 72 mil e 327 crianças da iniciação à 6ª classe (ensino primário) frequentam aulas ao ar livre.
De acordo com o governador, “a solução do problema passa, necessariamente, pelo fornecimento de água a estas localidades, tendo em atenção que a seca tem motivado os alunos a abandonarem as aulas para se dedicarem acompanharem os pais ao pasto.
Necessidades prementes
O governante, que falava à ANGOP, disse serem necessárias mais de 343 mil toneladas de bens alimentares diversos e outros para se combater a fome nas 436 localidades afectadas pela seca, desde Outubro de 2018, que já afectou 857 mil e 443 pessoas.
Trata-se de mais de 61 mil toneladas de massango e de milho em grão, de fuba de milho e de arroz, mais de 15mil de feijão, mais de mil de sal, mais de 3o mil de soja, dez mil de óleo alimentar, 30 mil de peixe seco e mais de sete mil toneladas de sabão para apoiar as populações.
Vigílio Adriano Tyova acrescentou serem igualmente necessários 106 milhões 770 mil e 500 kwanzas para a mobilização de recursos, tendentes ao asseguramento do Programa de Transumância, no âmbito do Programa de Emergência Contra à Seca.
O valor se destina ao aluguer de 13 camiões para a transportação de animais, ao pagamento de subsídios a 75 técnicos por se contratar, à compra de matéria-prima para a produção de sais minerais, a alimentação do pessoal nas zonas de transumância e à compra de combustíveis.
Para prevenir ou combater algumas doenças resultantes desse fenómeno natural, disse, a província precisa de 12 bidões de 40 quilogramas de hipo cloreto de cálcio, dois mil metronidazol (comprimidos), igual número de doxiciclina e 40 embalagens de sais de rehidratação oral (SRO).
“Precisamos também de mil caixas de suplementos nutricionais, a mesma quantidade de Plunpynut e 60 tendas para escolas e unidades sanitárias itinerantes, pelo que contamos com o apoio dos sectores empresariais público e privado para minimizar o sofrimento da população”, expressou.
São ainda necessárias 37 toneladas de roupa de fardo para crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos das 436 localidades dos municípios do Cuhama, Curoca, Ombadja, Namacundi, Cuanhama e Cuvelai.
De acordo com dados actuais do Governo Provincial do Cunene, em termos gerais estão afectadas pela estiagem 857 mil e 443 pessoas, de um total de 171.488 famílias, 907.572 bovinos. De Outubro até à presente data morreram 19. 539 cabeças de gado, incluindo caprinos e suínos.
Com uma extensão territorial de 75 mil 955, 61 metros quadrados, a província do Cunene localiza-se a sul e Angola e comporta seis municípios, 20e comunas, 51 bairros urbanos, 765 aldeias rurais. A mesma conta com um milhão, 157 mil e 491 habitantes.

error: Content is protected !!