MPLA homenageia vítimas de conflito armado

Sob a orientação do Camarada João Lourenço, Presidente do MPLA, o Bureau Político realizou nesta Quinta-feira, dia 25 de Abril de 2019, na Sede Nacional do Partido, em Luanda, a sua 4ª Reunião Ordinária

O Bureau Político do MPLA apreciou o plano de homenagem para honrar a memória de todos os compatriotas que foram vítimas de conflitos políticos, que ocorreram no país no período compreendido entre 11 de Novembro de 1975 e quatro de Abril de 2002. Tais homenagens terão sempre como objectivo o estabelecimento de um diálogo nacional, no sentido de fortalecer as bases de consolidação da paz e da reconciliação, unir os angolanos e afastar os fantasmas que ainda ensombram o passado recente de Angola.

O Bureau Político do MPLA defende que esta abordagem devese enquadrar nas acções com vista à contínua afirmação do Estado democrático de direito e alicerçada nos princípios da reconciliação nacional, da historicidade e do perdão. O Bureau Político do MPLA instou o Executivo a proporcionar mecanismos para um diálogo convergente, no sentido de se curarem as feridas psicológicas nas famílias e nos que sobreviveram, regenerando o espírito de cada um. O Bureau Político do MPLA considera que deverão ser afastadas todas as tendências que visam o aproveitamento político desta iniciativa, para criar situações de instabilidade e de divisão do tecido social angolano, que se pretende unido e coeso, tendo em vista o desenvolvimento humano sustentado. Ainda nesta reunião, o Bureau Político aprovou a proposta de candidatura da camarada Maria Fonseca, membro do Comité Nacional da OMA, ao cargo de secretária provincial da organização feminina do MPLA no Cuanza-Sul.

Congresso

Por outro lado e nas vestes de Comissão Nacional Preparatória do 7.º Congresso Extraordinário do MPLA, aprazado para 15 de Junho próximo, o Bureau Político aprovou a Directiva Executiva sobre os procedimentos a observar na preparação das candidaturas a membro do Comité Central e no acto eleitoral de cada província, tendo em atenção o propósito do seu alargamento nominal. A Comissão Nacional Preparatória aprovou, igualmente, a Directiva Executiva sobre os procedimentos a observar na preparação das candidaturas ao nível dos órgãos intermédios comunais ou de distritos urbanos, municipais e provinciais; o cronograma de preparação do 7.º Congresso Extraordinário do MPLA e o calendário indicativo das conferências provinciais extraordinárias, neste âmbito.

Reacções

O porta-voz da UNITA, Alcides Sakala, enalteceu a iniciativa do partido no poder e do seu presidente, dizendo que a mesma chega numa altura em que o país precisa exactamente de sarar as feridas do conflito armado, e lançar as pontes para a reconciliação nacional. Sakala disse que o anterior governo sempre recusou o processo de reconciliação nacional, e sempre que fosse solicitado por outros actores políticos respondiam com actos de intolerância política. O político da UNITA disse ainda que é preciso sarar as feridas da guerra fratricida para promover a reconciliação nacional e o desenvolvimento que o país pretende. Apontou que se a África do Sul tem avanços significativos, foi graças à reconciliação nacional liderada pelo ex-presidente Nelson Mandela, e este modelo deve ser seguido para Angola. Alcides Salaka entende ser necessário esquecer os resquícios do passado e olhar em frente para o desenvolvimento do país

error: Content is protected !!