Programa de leitura comunitária retira jovens da delinquência

desde que foi criado, no início deste ano, o projecto já levou cerca de dois mil livros aos bairros e municípios de Luanda para que jovens carentes pudessem lê-los e assim estimular o conhecimento e evitar a criminalidade

O projecto ‘leitura no meu bairro’ tem vindo a ajudar, desde o princípio deste ano, na retirada de centena de jovens do mundo da delinquência, deu a conhecer o seu coordenador executivo, Oliveira Santareno. Segundo o responsável, que falava ontem à margem da conferência de balanço do projecto nos últimos três meses, desde que foi implementado, em Janeiro, o projecto já retirou, de forma directa, mais de cem jovens do mundo do crime, do alcoolismo e da prostituição por via do incentivo à leitura, sobretudo em comunidades carenciadas.

Oliveira Santareno fez saber que, nos últimos três meses, cerca de dois mil livros foram levados aos bairros e municípios de Luanda para que jovens carentes pudessem ler e estimular o conhecimento. São jovens dos 12 aos 30 anos de idade que entraram em contacto com os livros de diversos géneros e autores e tiveram maior entendimento sobre a vida, o mundo e o meio que os rodeia.

Nalguns casos, frisou, os livros foram oferecidos. Noutros serviram apenas para consultas durante duas ou três semanas. De acordo com Oliveira Santareno, desde que foi implementado o programa já passou pelos bairros dos Rastas, Belo Monte, Zango, Benfica e Catambor, contribuindo para a cultura do bem no seio da juventude vulnerável.

“O que constatámos é uma sede de leitura por parte dos jovens. Muitos tendem a envolver-se no mundo do crime porque não têm outro incentivo. E fizemos a nossa parte no sentido de cobrir uma parte deste vazio”, explicou.

Dificuldades não inibe

Na hora do balanço dos últimos três meses, Oliveira Santareno disse que a missão do dever cumprido é o sentimento que invade a todos envolvidos no programa. Tal como explicou, apesar de trabalhar sem apoio institucional, o que resulta em grandes dificuldades, ainda assim a equipa está motivada e pretende continuar a levar o conhecimento a quem mais precisa.

Actualmente, frisou, está em curso o processo de recolha e selecção de outras bibliografias que farão parte das próximas actividades cujo início está previsto para a primeira quinzena do mês de Maio. Segundo o responsável, para os próximos eventos foram seleccionados os municípios de Luanda, Viana, Cazenga e Quissama.

Para a empreitada, notou, farão parte um total de 2500 livros diversos que terão a missão de contribuir para a cultura de conhecimento dos jovens desfavorecidos. “Se todos contribuirmos podemos ajudar na construção de homens de bem.

Essa é a nossa missão, levar o conhecimento à quem mais precisa e a custo zero”, atestou. Questionado sobre a origem dos livros, Oliveira Santareno fez saber que a maior parte dos materiais bibliográficos provêm de doações de parceiros e pessoas singulares que se identificam com a causa.

Acompanhamento

Por outro lado, Oliveira Santareno deu a conhecer que os 100 jovens que o projecto ajudou a retirar da delinquência de forma directa, estão a ser acompanhados com outras iniciativas de forma a evitar que venham a cair novamente no mundo do crime.

São jovens de famílias pobres e que muitas vezes já estiveram detidos e que agora, por via da leitura, estão a mudar de vida. Nesse momento estão a decorrer um conjunto de negociações com as instituições públicas e privadas para que os mesmo sejam apoiados em matéria de emprego e formação profissional.

“Já solicitamos o apoio do Conselho Nacional da Juventude, do ministério de tutela e de outras organizações que nos possam ajudar no equilíbrio e na garantia social desses jovens”, concluiu.

leave a reply