PAT destaca mudança de cultura na docência

PAT destaca mudança de cultura na docência

O gestor do Projecto de Aprendizagem para Todos (PAT), Isaac Paxe, disse, ontem, a O PAÍS que se pode considerar um nível aceitável de alcance das metas programadas pelo programa que dirige, pelo facto, actualmente, os professores adoptarem outras práticas e outra cultura no exercício do seu ministério.

“Aliás, é esse o grande ganho do momento, porque o que fizemos, até agora, é emprestar essa consciência aos educadores, quer no que toca ao conhecimento dos instrumentos de planificação na fase inicial do trabalho, quer no quotidiano do próprio planeamento, incluindo-se as ZIP´s, que são espaços aonde os docentes vão, em equipa, e procuram traçar as planificações diárias, semanais ou mesmo quinzenais.

Acrescentou dizendo que as escolas abrangidas pelo PAT, com todos os apoios que lhes são dados têm, além de formação, a garantia de manuais, criação de centros de recursos com alguns equipamentos e a presença permanente de supervisores facilitadores, daí que já se nota uma cultura diferenciada dos professores, na abordagem do seu trabalho.

Fazendo alusão à essência do projecto, Isaac Paxe lembrou que, depois da avaliação da Reforma Educativa (RE), o Ministério da Educação mapeou alguns eixos que foram considerados como aspectos a melhorar, para que aqueles objectivos traçados na RE pudessem ser concluídos.

“Então, um dos aspectos foi, justamente, a questão do ensino primário, porque é este nível consolidado que vai fazer que os estudantes tenham êxitos nos ensinos subsequentes e entre as questões que foram identificadas, neste ciclo do ensino, estava a formação de professores”, recordou.

Isaac Paxe esclareceu que o Projecto de Aprendizagem para Todos (PAT) não pôs em causa a formação inicial, por alguns adquiridas nos magistérios primários e por outros, no ensino superior, mas notou a necessidade de um domínio nas áreas específicas, tendo citado, para o caso, a das metodologias.

Porque, para se ensinar a Língua Portuguesa, tem de se dominar a metodologia dessa disciplina (o mesmo para a Matemática), soube este Jornal do gestor do PAT, para quem, no contexto do discurso da escola inclusiva, se precisam de métodos diferenciados de pedagogia, porque cada criança se apresenta, na sala, de aulas é como uma particularidade.

O processo que, no entender de Isaac Paxi, abre a urgência da própria questão do ensino especial, deve constituir, ininterruptamente, uma preocupação do órgão que subtende o ensino, no país.

Porque o Banco Mundial estava a endereçar a Angola um financiamento de projectos, tendo sido a educação uma das eleitas como uma das áreas prioritárias, então, o Ministério da Educação, em parceria com este financiador internacional, desenvolveu o Projecto Educação para Todos (PAT), cujo objectivo é melhorar os métodos e as técnicas de ensino para permitir que os professores possam melhorar o seu trabalho e, com isso, os estudantes saírem a ganhar.