Editorial: Uma presença reconfortante

Não resolve os problemas por si só, já se sabe, mas a presença de João Lourenço, Presidente da República, no Namibe e no Cunene, é um sinal de que o Estado não vira as costas a quem mais sofre no país. É um sinal que leva conforto aos que lutam para minimizar os efeitos da seca na vida das pessoas. O extremo Sul do nosso país é das regiões mais pobres, apesar do seu grande potencial, que necessita de investimentos sérios para fazer crescer a imensa riqueza mineral e pecuária, podendo a região tornar-se num dos “bancos” do país. Há dias, o Presidente ordenou a aplicação de elevadas verbas para a construção de infra-estruturas de gestão hídrica, deve ir fiscalizar a sua aplicação, cumprindo o seu papel de velar pela vida dos angolanos.