Angola quer aspectos da linguística bantu no Acordo Ortográfico da CPLP

Angola defendeu hoje a inclusão da linguística bantu no Acordo Ortográfico promovido pela Comunidade dos países de Língua Portuguesa (CPLP), argumentando que o actual projecto “carece de conciliação com alguns aspectos”.Numa mensagem alusiva ao Dia da Língua Portuguesa e da Cultura da CPLP, o Ministério da Educação angolano adianta que pretende ver refletido no acordo os vários aspetos “para que a realidade da linguística portuguesa de Angola possa ser retratada nas gramáticas contemporâneas”.
“Certamente, a comunidade irá atender a esta necessidade do desenvolvimento linguístico de Angola, pois os Estados que a compõem são democráticos e atendem as recomendações das organizações regionais dos Estados Membros, como é o caso da Academia das Línguas Africana (ACALAN)”, lê-se no documento.
Segundo a mensagem, a ACALAN, enquanto instituição da União Africana (UA), recomenda a conciliação dos fenómenos linguísticos, com vista à preservação da paz.
“Este é o percurso que Angola tem seguido, da promoção da paz, enquanto Estado Membro plurilingue e com necessidade de construir e de preservar o legado mais precioso, que é a paz”, assevera.
Nesse sentido, prossegue-se no documento, Angola defende a elaboração de um vocabulário ortográfico nacional e a retificação de determinadas bases técnicas científicas para ratificar o Acordo Ortográfico na CPLP.
O acordo, em vigor desde 1990, foi ratificado apenas por Portugal, Brasil, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Angola mantém-se de fora por considerar haver aspetos a acertar no acordo.
As línguas bantu – mais de 600, embora os idiomas formem uma família de cerca de 1.500 línguas diferentes -, são faladas em mais de duas dezenas de países das Áfricas Ocidental, Central e Austral, incluindo Angola e Moçambique.
Banto, ou bantu, é um termo utilizado para se referir a um tronco linguístico, uma língua que deu origem a diversas outras maioritariamente no centro e sul do continente africano.
O termo acabou por ser aproveitado para se referir ao conjunto de 300 a 600 grupos étnicos diferentes que povoam a mesma área, tratando-se, porém, de uma classificação baseada na semelhança linguística, e por isso, a palavra banto não se refere a um povo, nem sequer a uma etnia.

leave a reply