Até ao fim de Abril, 26 mil cabeças de gado morreram com a seca

Até ao fim de Abril, 26 mil cabeças de gado morreram com a seca

Até ao dia 30 de Abril, cerca de um milhão e 100 mil cabeças de gado estavam afectadas pela seca na província do Cunene, sendo que até ao momento já morreram cerca de 26 mil cabeças. A informação foi avançada na noite de Sexta-feira (3) pelo governador Vírgilio Tyova, quando apresentava o ponto de situação da seca e da fome na região, durante a visita de trabalho do Presidente da República, João Lourenço, ao Cunene.

Os números apresentados na noite de Sexta-feira (3) indicam, também, haver 175 mil famílias afectadas pela seca, bem como o encerramento de 13 escolas pela mesma situaçáo. O preço do gado na província do Cunene reduziu consideravelmente, tendo OPAÍS apurado que animais que anteriormente eram, facilmente, comercializados entre os 45 mil kwanzas e os 60 mil, hoje custam entre cinco e mil e 500 kwanzas.

“Algumas vezes é preferível ver o gado a morrer do que vender por um valor tão baixo”, desabafou, visivelmente triste, José Mário Hihangui, um ancião que se vive da agricultura e da criação de gado. José Hihangui somava 55 cabeças de gado, 6 delas morreram por causa da seca. Mesmo assim, a possibilidade vender os restantes bois, para não ter de vê-los morrer, está completamente descartada, pois, referiu, o preço do gado baixou em demasia, “e de que maneira”! O Presidente da República esteve na Sexta-feira (3) e no Sábado numa visita de trabalho ao Cunene. Seguindo a agenda, o Chefe de Estado visitou neste Sábado a povoação de Oshiwanda. Desde Outubro de 2018, o Cunene regista uma acentuada crise de água e pasto, com a maioria da população total (estimada em um milhão e 157 mil e 491 habitantes) afectada.