Hemodiálise de Benguela parou por falta de água

Setenta e seis pacientes do centro de hemodiálise do Hospital Municipal de Benguela ficaram privados, ontem, por algumas horas, de assistência médica, por falta de fornecimento de água potável, informou o director da unidade sanitária, Benjamim Kimaz. Na base está a falta de eletricidade da rede pública e de combustível para os geradores e camiõescisterna

Segundo o responsável, que falava em entrevista à imprensa, após uma visita do governador provincial, Rui Falcão, ao Hospital Municipal de Benguela, o centro consome cerca de três mil (3.000) litros de água/hora, independentemente do número de doentes que estejam ligados às máquinas em simultâneo.

Benjamim Kimaz adiantou que se a reposição de água não for de acordo com o consumo, o centro pode enfrentar sérios problemas, podendo deteriorar o estado clínico dos doentes. “Nós gastamos mais do que é reposto e temos sido abastecidos por camiões cisterna, mas desta vez, devido à falta de combustível que a província regista, os motoristas estão de braços cruzados, pois não conseguem abastecer as viaturas”, destacou. O director informou que ontem não se conseguiu arrancar com o tratamento dos pacientes na hora prevista (sete horas), ficando a situação resolvida, provisoriamente, com o apoio da Direcção Provincial da Saúde, que enviou um camião cisterna de urgência.

O centro de hemodiálise controla 116 pacientes que são atendidos de forma alternada. Na ocasião, Rui Falcão disse que o Hospital Municipal de Benguela apresenta melhorias no funcionamento nos últimos meses, em termos de tecnologia e de prestação de serviços. Reconheceu o empenho do pessoal técnico e reafirmou a determinação do Executivo local em continuar a trabalhar na melhoria das condições sociais dos cidadãos. Já o director provincial da Saúde, Manuel Cabinda, referiu que a unidade sanitária recebeu novos equipamentos, o que resulta na melhoria do atendimento aos utentes.

“Apetrechamos inicialmente os blocos centrais do hospital e as áreas de urgências. Esperamos continuar paulatinamente nesta senda”, disse. Deu a conhecer que a sua direcção criou uma equipa de manutenção permanente dos hospitais, para atacar os problemas assim que surjam. Na ocasião, sem avançar data, prometeu que dentro de algum tempo a província de Benguela vai poder contar com o serviço de TAC, aguardando-se a chegada do equipamento. A visita do governador teve como objectivo constatar as condições de acomodação dos utentes e de trabalho dos técnicos. Ainda ontem, Rui Falcão constatou as obras em curso no Hospital Geral de Benguela, nomeadamente nas áreas de hemoterapia, laboratório geral de análises clínicas, dentre outros sectores.

 

error: Content is protected !!