PCA da UnICARGAS defende formação contínua de quadros para rentabilizar a empresa

PCA da UnICARGAS defende formação contínua de quadros para rentabilizar a empresa

Por: Domingos Faia

O presidente do Conselho de Administração da maior empresa pública de transporte e manuseamento de cargas, UNICARGAS, Celso Rosas, disse que a instituição que dirige está a levar a cabo um amplo programa de formação dos seus quadros, de forma a rentabilizar a empresa no exercício económico 2019-2020.

O responsável, que falava ontem num encontro com jornalistas, fez saber que a componente formação é um especto que a sua direcção elegeu para que, até ao final do presente ano, se alcance os objectivos preconizados, que passam pelo aumento das receitas. Tal como explicou, só mediante a superação, capacitação e a actualização constante do quadro de pessoal é que se vai poder mudar o paradigma e alcançar a excelência no segmento da transportação. De acordo com Celso Rosas, em 2018, a empresa que dirige teve uma receita total de 5 mil milhões, 128 milhões e 576 mil kwanzas.

Apesar deste saldo, a instituição continua a ter uma despesa alta. Porém, tendo em conta as orientações do Executivo, o responsável assegurou uma aposta forte nos quadros, para que se alcance a intenção de ver esses custos diminuídos.

“Se não estivermos todos comprometidos com a mesma causa, dificilmente vamos conseguir sair da condição difícil em que nos encontramos. Precisamos é de estar todos munidos do mesmo espirito para conseguirmos driblar a crise.

E isso passa pela formação, superação continua e uma forte aposta na componente formativa”, apontou. Segundo o gestor, actualmente, a frota daquela empresa pública debate-se com problemas muito sérios. Dos 230 camiões de que dispõe, apenas 104 se encontram operacionais, 69 avariados e em fase de recuperação e 57 praticamente imobilizados e que serão desmantelados ainda este ano.

Todavia, frisou, há já perspectivas de nos próximos tempos aumentar a frota com a compra de, numa primeira fase, mais 100 camiões, o que vai permitir uma maior rentabilização da empresa.

Outra componente que vai permitir o aumento dos lucros será a reabilitação do terminal polivalente do Porto de Luanda, o que, conforme deu a conhecer, deverá acontecer dentro dos próximos tempos.

Outro factor que vai possibilitar a rentabilidade, segundo Celso Rosas, será a abertura, ainda este ano, dos terminais de carga das províncias de Cunene, Malanje e Zaire. “Há muitos anos que a empresa vem trabalhando apenas com as delegações do Moxico, Benguela e Cabinda. Para melhor servimos o país, vamos abrir novas delegações que vão contribuir significativamente para o desenvolvimento das regiões onde serão construídas”, atestou.

Driblar a escassez de combustível

Por outro lado, durante o encontro com os jornalistas, Celso Rosas fez saber que, apesar da crise de combustível que o país tem vindo a enfrentar, desde o princípio desta semana, ainda assim a sua empresa continua a honrar o compromisso de levar mercadorias a todo o país.

O responsável explicou que a sua empresa gasta, diariamente, entre 5 a 8 mil litros de combustíveis para manter a sua frota operacional. De acordo o gestor, a sua empresa trabalha com a Pumangol, Sonangol e Songalp e neste momento já estão feitos os pagamentos, aguardando-se pelo abastecimento que será feito nos próximos dias.

“É um momento difícil que estamos a viver e nota-se um esforço do Governo para ultrapassar essa situação. Mas o que nós, UNICARGAS, fizemos, foi a comunicação aos nossos clientes. Caso haja atrasos, ao menos já foi comunicado o motivo. Mas esperamos ultrapassar”, disse.